sicnot

Perfil

Economia

Banco Mundial prevê crescimento económico global de 2,9% em 2016

O Banco Mundial começa o ano novo mais pessimista, prevendo que a economia mundial tenha crescido 2,4% em 2015 e que avance 2,9% em 2016, menos 0,4 pontos percentuais do que tinha antecipado no verão.

No relatório Perspetivas Económicas Globais, de janeiro de 2016, divulgado hoje, o Banco Mundial afirma que o "fraco crescimento verificado entre as economias emergentes vai pesar no crescimento mundial em 2016, mas a atividade económica deve recuperar modestamente para um ritmo de crescimento de 2,9%, depois de um crescimento de 2,4% em 2015, com as economias desenvolvidas a ganhar força".

As previsões para os dois anos estão 0,4 pontos percentuais abaixo do que a instituição tinha previsto em junho, quando divulgou o relatório Perspetivas Económicas Globais de junho de 2015.

O Banco Mundial estima que as economias desenvolvidas tenham crescido 1,6% em 2015 e que avancem 2,1% este ano, com os Estados Unidos e o Reino Unido a subirem mais de 2% em 2016.

A instituição estima que os países da moeda única europeia tenham crescido 1,5% em 2015 e que apresentem um crescimento económico de 1,7% em 2016.

A Rússia contribui negativamente para o crescimento das economias desenvolvidas, caindo 3,8% em 2015 e 0,7% em 2016.

No entanto, o Banco Mundial está preocupado com a "fraqueza simultânea da maioria dos mercados emergentes" e com o impacto que um crescimento económico fraco possa ter na redução da pobreza.

"Mais de 40% dos pobres a nível mundial vivem nos países em desenvolvimento, onde o crescimento económico abrandou em 2015", afirma o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim.

A instituição com sede em Washington estima que as economias em desenvolvimento tenham crescido 4,3% em 2015 e que venham a avançar 4,8% em 2016, salientando "as grandes disparidades" entre os países deste grupo.

Por exemplo, a economia da Índia deverá encabeçar as que mais crescem em 2016, ao avançar 7,8% ano, já o Brasil será o único a entrar em recessão este ano, contraindo-se 2,5%.

Para o vice-presidente e economista-chefe do Banco Mundial, Kaushik Basu, "uma combinação de políticas orçamentais e monetárias pode ajudar a mitigar riscos e a apoiar o crescimento".

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.