sicnot

Perfil

Economia

Barril de petróleo da OPEP abaixo dos 30 dólares pela 1ª vez desde 2004

O barril de referência da OPEP cotou-se na quarta-feira a 29,71 dólares, perdendo assim o valor de 30 dólares pela primeira vez desde 05 de abril de 2004, informou hoje em Viena a OPEP.

© Darrin Zammit Lupi / Reuters

Com esta depreciação, a cotação do petróleo da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) mantém a brusca tendência de baixa, alheia à tensão política entre dois dos seus sócios, Irão e Arábia Saudita, que os investidores tinham temido que provocasse uma subida de preços.

Os preços do grupo petrolífero referem-se ao barril de referência da OPEP, que se baseia numa mistura de 12 qualidades de petróleo dos Estados-membros da OPEP e é um valor nominal, ou seja, não inclui a inflação.

As últimas previsões da OPEP apontam para que o preço do barril de petróleo comece a recuperar este ano, depois da brutal queda de 2015 para os níveis mais baixos da última década, e suba até aos 80 dólares em 2020 e os 160 dólares em 2040.

Este cálculo da OPEP consta no relatório Previsões Mundiais do Petróleo 2015 e foi feito com base numa estimativa de que a economia mundial cresça entre 3,5% e 3,7% no período entre 2016 e 2020 e entre 3,6% e 3,3% nas duas décadas seguintes.

A queda dos preços do petróleo agudizou-se desde o princípio de dezembro de 2015, depois dos ministros da OPEP não terem conseguido chegar a um acordo em relação a um 'plafond' conjunto de produção, apesar do excesso de oferta no mercado.

Este excesso de oferta de petróleo ocorre numa altura em que os países emergentes, especialmente a China, reduziram as estimativas de crescimento económico e de consumo de energia.

Neste contexto, analistas de alguns bancos de investimento, como o Goldman Sachs, não afastam a hipótese de que a atual tendência possa afundar a cotação do petróleo até aos 20 dólares.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.