sicnot

Perfil

Economia

Bolsas chinesas encerram ao fim de meia hora de negociações

As bolsas chinesas de Xangai e Shenzhen encerraram hoje prematuramente, pela segunda vez na sua história, ao fim de meia hora, naquela que foi a sua sessão mais breve, após registarem perdas superiores a 7% no índice CSI 300.

© Yuya Shino / Reuters

Tal como aconteceu na passada segunda-feira, o primeiro dia em que vigoraram as novas regras para travar as oscilações bolsistas, as praças chinesas foram paralisadas por 15 minutos, depois de o índice CSI 300, que abrange as 300 principais empresas cotadas, cair acima de 5%.

Após a pausa, as bolsas voltaram a abrir, encerrando logo de seguida por perderem mais de 7%, de acordo com as novas regras, que ditam que, neste cenário, as negociações só são retomadas no dia seguinte.

Quando as negociações fecharam, pelas 09:58 (01:58 em Lisboa), a bolsa de Xangai perdia 7,32%, fixando-se nos 3.115,89 pontos, e a de Shenzhen caia 8,35%, para 1.955,88 pontos.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.