sicnot

Perfil

Economia

Portugal emite até 20.000 M€ em dívida de médio e longo prazo em 2016

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) espera emitir, em termos brutos, 18 a 20 mil milhões de euros em dívida de médio e longo prazo em 2016, "combinando sindicatos e leilões" e assegurando "no mínimo" um leilão de Obrigações do Tesouro (OT) por trimestre.

(Arquivo)

(Arquivo)

O IGCP divulgou hoje o programa de financiamento para este ano, em que indica que as necessidades de financiamento líquidas do Estado deverão situar-se "em cerca de sete mil milhões" de euros.

De acordo com o programa, a estratégia de financiamento do Estado em 2016 "centrar-se-á na emissão de títulos de dívida pública nos mercados financeiros em euros com realização regular de emissões de OT para promover a liquidez e um funcionamento eficiente dos mercados primário e secundário".

A entidade liderada por Cristina Casalinho prevê emissões brutas de Obrigações do Tesouro entre os 18 e os 20 mil milhões de euros, "combinando sindicatos e leilões, assegurando no mínimo um leilão por trimestre".

Os leilões terão a participação dos Operadores Especializados de Valores do Tesouro (OEVT) e Operadores de Mercado Primário (OMP).

Quanto ao retalho, o IGCP antecipa uma contribuição positiva de 1,7 mil milhões de euros através destes produtos destinados a captar a poupança das famílias, como os certificados de aforro e do tesouro.

Já quanto à dívida de curto prazo, o IGCP espera que "o financiamento líquido resultante da emissão de BT [Bilhetes do Tesouro] resultará num impacto nulo" e refere que "será mantida a estratégia de emissão ao longo de toda a curva, combinando prazos curtos com prazos longos".

A agência que gere a dívida pública portuguesa pretende manter a realização mensal de BT e indica que o montante indicativo dos leilões "continuará a ser anunciado ao mercado através de um intervalo", sendo que já divulgou o calendário previsto para o primeiro trimestre deste ano.

Assim, o IGCP prevê emitir entre 3.000 e 3.750 milhões de euros em BT entre janeiro e março, através de seis leilões de dívida entre os seis e os 12 meses.

A instituição de Cristina Casalinho refere que "a gestão do risco de refinanciamento implicará que as operações de financiamento a realizar evitarão a criação de excessivas concentrações temporais de amortizações, assim como a possibilidade de realização de operações de recompra de dívida, oportunamente anunciadas ao mercado".

Além disso, o IGCP salvaguarda que vai manter "flexibilidade para introduzir na execução deste programa os ajustamentos que se venham a revelar necessários face à evolução dos mercados e das necessidades de financiamento ao longo do ano".

Lusa

  • Incêndio em Lisboa faz um ferido
    4:13

    País

    Um incêndio de grandes dimensões deflagrou esta segunda-feira numa loja, na Avenida de Berlim, em Lisboa. O repórter André Palma esteve no local, onde ouviu o comandante dos Sapadores Bombeiros de Lisboa. Pedro Patricio confirmou que foi assistida uma pessoa por inalação de fumos e, por questões de segurança, os veículos estacionados perto do local foram retirados, assim como foi pedido às pessoas dos prédios à volta que saíssem por causa do fumo. O incêndio foi dominado.

  • "Rui Rio avisou que vinha para partir loiça dentro do PSD"
    3:00
  • Hugo Soares não deverá continuar como líder parlamentar do PSD
    3:17

    País

    Rui Rio não deverá manter Hugo Soares na liderança parlamentar do PSD. Fonte próxima do novo presidente social-democrata diz à SIC que dificilmente o líder da bancada poderá continuar no cargo. Aumenta a pressão para que Hugo Soares ponha o lugar à disposição e já começam a surgir nomes para o substituir.

  • Suspeita de militantes fantasma no PSD
    4:22

    País

    Perante a suspeita de militantes fantasma e de caciquismo, Salvador Malheiro, diretor de campanha de Rui Rio, diz que o ato eleitoral foi devidamente fiscalizado. Uma investigação do jornal Expresso encontrou oito filiados numa morada que não existe e 17 militantes com morada numa casa onde vivem nove pessoas e nenhuma é do PSD. A associação cívica Transparência e Integridade fala num vazio legal e em falta de regulamentação.

  • Cristiano Ronaldo está insatisfeito com o salário e pode sair do Real Madrid
    2:38