sicnot

Perfil

Economia

Pharol avança em tribunal com ação de responsabilidade contra a Deloitte

A Pharol (antiga PT SGPS) deu entrada no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa uma ação de responsabilidade contra a Deloitte devido aos investimentos na Rioforte, do Grupo Espírito Santo.

(SIC/ Arquivo)

Nesta ação "é peticionada indemnização correspondente à diferença entre o valor de 897.000.000,00 euros e aquele que a Pharol vier a receber no âmbito do processo de insolvência da Rioforte, bem como os demais danos que se vierem a apurar e acrescido dos juros de mora vincendos, contabilizados desde a data da citação até efetivo e integral pagamento", lê-se no comunicado da Pharol.

A entrada da ação resulta da deliberação do Conselho de Administração de 27 de maio de 2015. A Pharol admite ainda vir a responsabilizar outros administradores.


Neste sentido, refere que não fica prejudicado o direito de "vir a responsabilizar outros administradores eleitos para o triénio 2012/2014 ou terceiros que, de alguma forma, tenham tido responsabilidade por danos causados [...], em consequência e/ou relacionados com investimentos na Rioforte ou instrumentos de dívida emitidos por entidades integrantes do Grupo Espírito Santo".

A 2 de outubro, a Pharol anunciou que tinha dado entrada no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa a primeira ação de responsabilidade contra os ex-administradores Henrique Granadeiro, Pacheco de Melo e Amílcar Pires devido aos investimentos na Rioforte.

Em causa está o investimento em papel comercial da Rioforte, do Grupo Espírito Santo, que entre várias consequências, levou à saída de Henrique Granadeiro e Luís Pacheco de Melo da PT.

Outro dos visados, Amílcar Morais Pires, administrador financeiro do Banco Espírito Santo (BES), era administrador na PT em nome do banco, que era um dos acionistas de referência da operadora de telecomunicações.

Com Lusa

  • PHAROL admite processar Zeinal Bava por eventuais atos de má gestão
    1:35

    Economia

    A PHAROL, antiga PT SGPS, admite processar Zeinal Bava por eventuais atos de má gestão. Na primeira Assembleia-Geral da empresa depois dos processos iniciados contra outros antigos administradores, o presidente Palha Silva disse que tudo deve ser feito para que os acionistas sejam ressarcidos pelos prejuízos do ruinoso negócio com a Rioforte.

  • Pharol processa antigos administradores da PT SGPS
    1:48

    Economia

    A Pharol, a antiga PT SGPS, processou Henrique Granadeiro, Amílcar Morais Pires e Pacheco de Melo. A ação judicial contra os antigos gestores prende-se com o investimento ruinoso de quase 900 milhões de euros na Rioforte, uma das empresas do Grupo Espírito Santo. Para já, Zeinal Bava fica de fora, mas a Pharol avisa que pode avançar com mais processos.

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • População afetada pelo fogo tenta repor o que as chamas destruíram
    1:54
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.