sicnot

Perfil

Economia

Lesados reúnem-se para tentar anular transferência para o BES

Um grupo de cerca de 25 particulares com obrigações que foram transferidas do Novo Banco para o BES reúne-se no sábado para criar uma associação para contestar em tribunal essa decisão do Banco de Portugal.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

Segundo disse à agência Lusa um dos lesados, que preferiu o anonimato, a reunião pretende formalizar a criação de uma associação de lesados, que para já são cerca de 25 -- que estão espalhados por todo o país e alguns vivem no estrangeiro -- e que podem ter perdido pelo menos três milhões de euros.

Estes obrigacionistas pretendem contestar a decisão do Banco de Portugal de transferir cinco séries de obrigações seniores do Novo Banco para o BES, tomada a 29 de dezembro, considerando que ela é "ilegal", porque "viola a hierarquia dos credores".

Antes de chegarem aos tribunais, os lesados pretendem formalizar no sábado uma associação, juntar o maior número de associados possível -- para ganhar força de contestação e reduzir custos - e escolher um ou dois escritórios de advogados para levar as contestações aos tribunais.

A 29 de dezembro, o Banco de Portugal determinou retransmitir para o BES a responsabilidade pelas obrigações não subordinadas por este emitidas e que foram destinadas a investidores institucionais (como fundos de investimento, públicos ou privados), num total de 1.985 milhões de euros.

Com esta medida - que reverteu a que tinha sido tomada após a resolução do BES, quando o Banco de Portugal decidiu não imputar perdas aos credores seniores passando a dívida não subordinada do BES para o Novo Banco -, o capital do Novo Banco foi reforçado em 1.985 milhões de euros, permitindo-lhe assim cumprir as exigências regulamentares.

Entretanto, apesar de essas emissões terem sido inicialmente destinadas a investidores institucionais, surgiu a dúvida sobre se não teriam sido vendidas a particulares e o que aconteceria neste caso.

Da instituição liderada por Carlos Costa veio o esclarecimento: "A retransmissão para o Banco Espírito Santo [BES], S.A. abrange todas as obrigações emitidas sob os referidos ISIN (cuja emissão foi dirigida a investidores qualificados), independentemente da titularidade dos títulos à data de 29 de dezembro de 2015", disse fonte oficial do Banco de Portugal à Lusa, na passada terça-feira.

Ora, os particulares que entretanto tenham ficado com essas obrigações podem mesmo ter de suportar perdas, uma vez que a "responsabilidade pelo reembolso e pela remuneração daquelas obrigações passou a ser do Banco Espírito Santo".

O que se passa é que o BES - o 'banco mau' que ficou com os chamados ativos 'tóxicos' do ex-BES - deverá não ter meios de assegurar o reembolso do capital e a remuneração dos juros das obrigações em causa, pelo que os investidores dessas obrigações arriscam perder o dinheiro.

Em 2014, o 'banco mau' BES teve prejuízos de nove mil milhões de euros.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • "O futuro da Autoeuropa não está em causa"
    0:43

    Economia

    O secretário de Estado do Trabalho apelou a que os partidos não se intrometam nas negociações entre os trabalhadores e a administração da Autoeuropa. Em entrevista à Edição da Noite da SIC Notícias, Miguel Cabrita afastou a hipótese de estar em causa o encerramento da fábrica de Palmela.