sicnot

Perfil

Economia

Presidente da Volkswagen pede desculpa por escândalo das emissões em visita aos EUA

O presidente executivo da Volkswagen, Matthias Müller, pediu desculpa, este domingo, pela manipulação das emissões poluentes, na sua primeira visita aos Estados Unidos desde que estalou o escândalo, em setembro.

Reuters

"Estamos cientes de que dececionamos profundamente os clientes, autoridades, reguladores e o público em geral aqui na América", afirmou o CEO do fabricante automóvel alemão durante uma receção aos meios de comunicação social no âmbito do salão automóvel de Detroit, que tem abertura oficial prevista para hoje.

"Realmente sinto muito e gostaria de pedir desculpa, uma vez mais, pelo que correu mal na Volkswagen", disse, sublinhando que a "mais importante tarefa em 2016" passa por "recuperar a confiança".

"Não é apenas os vossos carros que temos de consertar. Também temos de reparar a nossa confiança", apontou Matthias Müller.

O CEO da Volkswagen anunciou ainda mudanças na cultura interna da empresa e prometeu um plano estratégico a lançar no verão.

O grupo alemão enfrenta, desde setembro último, um escândalo devido à instalação em 11 milhões de veículos de um dispositivo para deturpar os testes antipoluição.

Matthias Müller confirmou ainda que vai reunir-se, a seu pedido, na quarta-feira, com Gina McCarthy, chefe da Agência de Proteção do Meio Ambiente (EPA), a entidade que descobriu o escândalo do 'kit' das emissões fraudulentas, em Washington.

"Vamos oferecer algumas soluções e vamos ver como será a reação", afirmou.

"Temos soluções técnicas adequadas. Vamos apresentar soluções dentro em breve", acrescentou.

Müller não quis adiantar pormenores relativamente ao "pacote" a apresentar, mas questionado sobre a possibilidade de recompra de mais de 100 mil veículos afetados nos Estados Unidos, afirmou: "Isso é parte da solução que queremos discutir".

O jornal alemão Bild am Sonntag avançou, este domingo, que os engenheiros da Volkswagen apresentaram uma solução técnica para cerca de 430 mil viaturas a 'diesel'. Em causa, um catalisador que permitirá que boa parte dos carros afetados respeite os mínimos legais.

Segundo a Volkswagen, o novo catalisador vai permitir que cerca de 430 mil veículos que têm motor a gasóleo de primeira geração (EA 189) respeitem os limites de emissões estabelecidos nos Estados Unidos, mais restritivos do que os europeus.

No passado 04 de janeiro, as autoridades norte-americanas apresentaram uma queixa contra a Volkswagen em que a acusam de delitos ambientais pela alteração de emissões de quase 600 mil veículos para evitar o controlo de emissões poluentes.

O fabricante de automóveis alemão espera receber luz verde das autoridades dos Estados Unidos e, assim, não se ver obrigado a retirar todos os carros afetados, situação que colocaria "em causa a sua existência", segundo um responsável da Volkswagen, citado pelo Bild am Sonntag.

  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Turista italiano assassinado em favela do Rio de Janeiro
    1:01

    Mundo

    Um turista italiano de 52 anos foi assassinado numa favela do Rio de Janeiro, no Brasil, enquanto viajava com um amigo. Após várias horas com o gangue autor do crime, o amigo que se encontrava com a vítima acabou por ser libertado.

  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47