sicnot

Perfil

Economia

Governo de Costa recebe troika pela primeira vez a 27 de janeiro

A troika regressa a Lisboa a 27 de janeiro para a primeira visita desde a tomada de posse do Governo liderado por António Costa, que já está a reverter medidas de austeridade impostas durante o resgate.

© Hugo Correia / Reuters

A notícia foi avançada pelo Jornal de Negócios e hoje confirmada à agência Lusa por fonte oficial do Fundo Monetário Internacional (FMI), que disse que a missão que junta, além do FMI, a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) vai decorrer de 27 de janeiro a 03 fevereiro.

Esta avaliação pós-programa será a primeira desde a mudança do Governo, liderado por António Costa, que começou já a reverter algumas medidas de austeridade implementadas durante o período do resgate: este ano, os cortes salariais são reduzidos trimestralmente até à sua eliminação nos últimos três meses do ano e, quanto à sobretaxa, apenas os trabalhadores e pensionistas com rendimentos superiores a 5.786 euros mensais pagarão os mesmos 3,5%.

Esta será também a terceira visita de monitorização depois do programa de ajustamento, sendo que na visita anterior, que ocorreu no verão, a 'troika' aconselhou Portugal a ter "cautela" na reversão então prometida das medidas do lado da receita, alertando que pode ser preciso "adiar ou cancelar parcialmente" a eliminação da sobretaxa de Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS).

Em cima da mesa deve estar também a situação da banca, uma vez que entretanto foi decidida a resolução do Banif, com custos para as contas públicas, e que o Novo Banco ainda não foi vendido.

Apesar de ter concluído o Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) em maio de 2014, tanto o FMI como a Comissão Europeia vão manter missões regulares (duas vezes por ano) a Portugal até que o país reembolse a maioria dos empréstimos.

As regras europeias determinam que quando um país conclui um programa de assistência permanece sob vigilância até que pague pelo menos 75% do montante recebido.

Já no caso do FMI, as regras dos processos de monitorização pós-programa determinam que os países ficam obrigados a este acompanhamento até que a dívida por pagar seja inferior a 200% da respetiva quota no Fundo.

Lusa

  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Óculos inteligentes permitem controlar telemóvel com o nariz
    1:05
  • Defesa de Sócrates diz que junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal
    0:50

    Operação Marquês

    A defesa de José Sócrates diz que a junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal. A aplicação de 900 milhões de euros da PT no BES foi anexada ao processo, por suspeita de luvas pagas por Ricardo Salgado a Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, também arguidos. A defesa do antigo primeiro-ministro já contestou a decisão. Diz que é uma forma de confundir o processo para ocultar, mais uma vez, a falta de provas contra Sócrates.

  • Família Portugal Ramos
    15:01