sicnot

Perfil

Economia

Presidente da OPEP pede reunião extraordinária sobre queda dos preços do petróleo

O presidente da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), Emmanuel Ibe Kachikwu, defendeu hoje a realização de uma reunião extraordinária do organismo "no início de março" para avaliar a queda dos preços do petróleo.

Emmanuel Ibe Kachikwu, presidente da OPEP e ministro de Estado para os Recursos Petrolíferos da Nigéria.

Emmanuel Ibe Kachikwu, presidente da OPEP e ministro de Estado para os Recursos Petrolíferos da Nigéria.

© Heinz-Peter Bader / Reuters (Arquivo)

Emmanuel Ibe Kachikwu, também ministro de Estado para os Recursos Petrolíferos da Nigéria, defendeu ser necessária uma reunião extraordinária sobre os preços do crude, que caíram para o nível mais baixo em 12 anos, durante uma conferência em Abu Dhabi.

O barril de referência da OPEP cotou-se na quarta-feira a 29,71 dólares, abaixo dos 30 dólares pela primeira vez desde 5 de abril de 2004.

Esse barril baseia-se numa mistura de 12 qualidades de petróleo dos Estados-membros da OPEP e é um valor nominal, ou seja, não inclui a inflação.

"Nós dissemos que se [o preço] atingisse 35 [dólares por barril] iríamos começar a olhar (...) para uma reunião extraordinária", disse Kachikwu, sublinhando que os preços atingiram níveis que carecem de um encontro da OPEP.

A queda dos preços do petróleo agudizou-se desde o princípio de dezembro de 2015, depois de os ministros da OPEP não terem conseguido chegar a um acordo em relação a um 'plafond' conjunto de produção, apesar do excesso de oferta no mercado.

Este excesso de oferta de petróleo ocorre numa altura em que os países emergentes, especialmente a China, reduziram as estimativas de crescimento económico e de consumo de energia.

Neste contexto, analistas de alguns bancos de investimento, como o Goldman Sachs, não afastam a hipótese de que a atual tendência possa afundar a cotação do petróleo até aos 20 dólares.

Lusa

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a lider da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleiçoes em vários países, como a Alemanha e a Holanda.