sicnot

Perfil

Economia

Várias empresas do Estado sem saber como vão pagar subsídio de férias

Várias empresas do setor empresarial do Estado contactadas pela Lusa continuam sem saber como vão pagar o subsídio de férias este ano, afirmando o Ministério das Finanças que "a questão está a ser estudada".

Reuters

Reuters

(Reuters/ Arquivo)

Este ano, os trabalhadores do setor público vão ver os cortes aplicados aos salários desde 2011 reduzidos gradualmente a cada trimestre, voltando a receber o ordenado por inteiro a partir de outubro.

Isto significa que o montante a receber no subsídio de férias vai depender do trimestre em que é pago, o que, no caso da maioria dos funcionários públicos, de acordo com a lei geral do trabalho em funções públicas, é em junho.

Assim, os trabalhadores da função pública receberão o subsídio de férias ainda com um corte de 40%, uma vez que no segundo trimestre o Governo prevê uma reversão da redução remuneratória de 60%.

No entanto, no setor empresarial do Estado, onde os trabalhadores também estão sujeitos a cortes salariais mas dependentes de acordos coletivos de empresa, o subsídio de férias a receber poderá variar conforme a altura do ano em que o trabalhador tirar as férias, gerando desigualdades entre os trabalhadores e entre as empresas.

Ou seja, um trabalhador que receba o subsídio de férias em março terá um corte de 60% no montante que auferir (uma vez que no primeiro trimestre o Governo prevê uma redução no corte de 40%), enquanto um trabalhador que receba o subsídio em outubro pode recebê-lo por inteiro (já que o Governo prevê eliminar o corte totalmente no último trimestre do ano).

Nas empresas do setor empresarial do Estado que a Lusa questionou sobre esta matéria, e que preferiram não ser identificadas, não há um entendimento comum, estando todas à espera de um esclarecimento da tutela.

Confrontada com esta situação pela Lusa, fonte do ministério tutelado por Mário Centeno disse apenas que "a questão está a ser estudada".

Uma das empresas disse que, normalmente, o subsídio de férias é pago no maior período de férias e adiantou que vai manter essa interpretação, admitindo vir a fazer acertos, caso seja necessário.

Outra empresa explicou que, por regra, o subsídio de férias é pago em janeiro, mas disse que este ano está ainda a avaliar como vai proceder.

Uma outra empresa afirmou que está à espera do Orçamento do Estado de 2016 para saber como processar o pagamento do subsídio de férias, acrescentando que, atualmente, os trabalhadores podem optar por receber este subsídio por inteiro em maio ou em duodécimos ao longo do ano.

O diploma sobre a extinção progressiva dos cortes salariais em 2016, publicado em Diário da República a 30 de dezembro, determina que os cortes salariais aplicados aos vencimentos dos funcionários públicos que aufiram mais de 1.500 euros brutos por mês serão progressivamente eliminados ao longo de 2016, começando esta reversão a 01 de janeiro.

No entanto, o diploma nada diz sobre como deve ser feito o pagamento dos subsídios de férias, ficando a dúvida sobre se os trabalhadores que recebam esta remuneração no primeiro trimestre são penalizados em relação aos que a aufiram nos últimos três meses do ano.

Em novembro, o então deputado do PS e agora secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, tinha afirmado o subsídio férias, em 2016, deveria corresponder à remuneração média mensal, já considerando a reversão gradual dos cortes em vigor.

Fernando Rocha Andrade disse, na altura, que, uma vez que "o subsídio de férias não é pago no mesmo momento a todos, será necessário esclarecer essa matéria [na discussão] na especialidade" para "garantir que não há diferenças [no pagamento do subsídio de férias] para os que o recebem em janeiro e para os que recebem em outubro".

No entanto, esta questão acabou por não ser esclarecida e o diploma entretanto aprovado e já publicado não explica como deverá ser feito o pagamento dos subsídios de férias.

Lusa

  • Vidas de fogo
    12:04