sicnot

Perfil

Economia

BP garante que Portugal não será abrangido pelo corte de 4 mil funcionários

A BP Portugal garante que não será abrangida pelos 4 mil despedimentos a nível mundial anunciados pela petrolífera britânica, ao contrário de Angola que será afetada.

© Whitney Curtis / Reuters

Numa nota, a empresa lembra que as saídas previstas a nível mundial afetam apenas as áreas de exploração e produção de petróleo, pelo que não terão impacto nas operações em território nacional, já que são focadas na área dos combustíveis, lubrificantes e aviação.
A empresa lembra ainda que, nos últimos 2 anos, a BP cumpriu os objetivos definidos para Portugal com a rede de distribuição de combustíveis a crescer de 320 para 392 postos de abastecimento. Estes objetivos deverão ser ultrapassados este ano com a abertura de mais 8 postos no país.

Sobre Angola, o porta-voz da petrolífera confirmou ao "Finantial Times" que o país será alvo de cortes nos funcionários , assim como o Azerbaijão e o Golfo do México. A redução será de 17 por cento no caso dos trabalhadores do negócio da perfuração.

  • Taxa de desemprego abaixo dos 10%

    Economia

    A taxa de desemprego em fevereiro ficou afinal nos 9,9%. O Instituto Nacional de Estatística reviu o indicador em baixa de 0,1 pontos percentuais, esta sexta-feira. É o valor mais baixo desde fevereiro de 2009.

  • Incêndio dominado em Gondomar
    4:25

    País

    Está dominado o incêndio que esta manhã obrigou à evacuação da Escola Secundária de São Pedro da Cova, no concelho de Gondomar. A repórter Susana Bastos esteve no local.

  • "Tanolas" tem cadastro criminal e já foi condenado a pena suspensa
    0:55
  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    Luís Montenegro garante que nunca será candidato à presidência do PSD contra o Passos Coelho. Convidado da Quadratura do Círculo, na SIC Notícias, o líder da bancada dos sociais-democratas acha mesmo que é um exagero dizer-se que Pedro Passos Coelho está politicamente morto.