sicnot

Perfil

Economia

Costa vai a Bruxelas pedir redução do défice a ritmo mais lento

Sob pressão do Orçamento do Estado, o Governo de António Costa vai a Bruxelas pedir mais tempo para cortar mais no défice. Segundo o Diário de Notícias de hoje, Portugal vai invocar os incumprimentos da Alemanha e da França que nos anos 2000 conseguiram suspender a aplicação do Pacto de Estabilidade para agora pedir que a Comissão Europeia aceite as novas metas do Executivo português.

ETIENNE LAURENT/ EPA (Arquivo)

António Costa quer que Bruxelas aceite um défice de 3% em 2015 e 2,8% este ano, contra os 2,7% do anterior governo para 2015 e 1,8% para 2016.

Como os 3% são o limite para entrar em incumprimento e Portugal já o superou em 2014, Portugal deverá pedir para cortar mais no défice, mas a ritmo mais lento.

Pelo contrário, e segundo o Económico de hoje, Bruxelas quer um ajustamento orçamental superior ao que o Governo tinha previsto e a pressão subiu de tom depois de conhecidas as intenções do Executivo e os problemas no Banif.

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.