sicnot

Perfil

Economia

General Electric vai eliminar 6.500 empregos na Europa

A empresa norte-americana General Electric (GE) anunciou hoje que vai suprimir 6.500 empregos na Europa, 1.700 dos quais na Alemanha, 1.300 na Suíça e 765 em França.

URS FLUEELER/ EPA

"O plano de reestruturação afeta vários países europeus e pode ter impacto em 6.500 empregos dos 35.000" provenientes da aquisição das atividades de energia do grupo francês Alstom em novembro de 2015, declarou um porta-voz da empresa à France Presse, justificando as medidas com um mercado difícil.

No total, a GE tem 51 mil trabalhadores no setor da energia na Europa.

A reestruturação vai afetar também países não europeus, mas o grupo não confirmou a eliminação de cerca de 10 mil postos de trabalho em todo o mundo, um número avançado pelos sindicatos.

Cerca de 1.700 postos de trabalho serão eliminados na Alemanha e 1.300 na Suíça onde, segundo um comunicado da GE, "a reestruturação tem por objetivo corrigir os pontos fracos de competitividade em antigos domínios de atividade da Alstom".

Em relação a França, a reestruturação deve atingir 765 pessoas em perto de 9.000 da Alstom. Segundo o porta-voz, o grupo norte-americano mantém o seu compromisso de criar mil postos de trabalho.

"Nunca escondemos que as funções de apoio iam ser afetadas", acrescentou o porta-voz da GE.

"As consultas com os conselhos de empresa vão arrancar hoje e o processo vai prolongar-se por dois anos", disse o porta-voz, explicando que a eliminação de empregos será feita essencialmente com recurso a saídas voluntárias.

Após um longo processo de conversações, a multinacional norte-americana finalizou em novembro passado a compra do polo de energia da Alstom.

Lusa

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02