sicnot

Perfil

Economia

General Electric vai eliminar 6.500 empregos na Europa

A empresa norte-americana General Electric (GE) anunciou hoje que vai suprimir 6.500 empregos na Europa, 1.700 dos quais na Alemanha, 1.300 na Suíça e 765 em França.

URS FLUEELER/ EPA

"O plano de reestruturação afeta vários países europeus e pode ter impacto em 6.500 empregos dos 35.000" provenientes da aquisição das atividades de energia do grupo francês Alstom em novembro de 2015, declarou um porta-voz da empresa à France Presse, justificando as medidas com um mercado difícil.

No total, a GE tem 51 mil trabalhadores no setor da energia na Europa.

A reestruturação vai afetar também países não europeus, mas o grupo não confirmou a eliminação de cerca de 10 mil postos de trabalho em todo o mundo, um número avançado pelos sindicatos.

Cerca de 1.700 postos de trabalho serão eliminados na Alemanha e 1.300 na Suíça onde, segundo um comunicado da GE, "a reestruturação tem por objetivo corrigir os pontos fracos de competitividade em antigos domínios de atividade da Alstom".

Em relação a França, a reestruturação deve atingir 765 pessoas em perto de 9.000 da Alstom. Segundo o porta-voz, o grupo norte-americano mantém o seu compromisso de criar mil postos de trabalho.

"Nunca escondemos que as funções de apoio iam ser afetadas", acrescentou o porta-voz da GE.

"As consultas com os conselhos de empresa vão arrancar hoje e o processo vai prolongar-se por dois anos", disse o porta-voz, explicando que a eliminação de empregos será feita essencialmente com recurso a saídas voluntárias.

Após um longo processo de conversações, a multinacional norte-americana finalizou em novembro passado a compra do polo de energia da Alstom.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.