sicnot

Perfil

Economia

Petróleo da OPEP atinge valor mais baixo desde maio de 2003

O petróleo de referência da OPEP cotou-se na terça-feira a 25,76 dólares, menos 5% do que na véspera e o valor mais baixo desde meados de maio de 2003, informou hoje em Viena a organização.

© Carlos Garcia Rawlins / Reuters (Arquivo)

Com esta nova depreciação, a cotação do petróleo da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) acumula uma perda de 19% em relação princípio deste ano (12 dias).

Os preços do grupo petrolífero referem-se ao barril de referência da OPEP, que se baseia numa mistura de 12 qualidades de petróleo dos Estados-membros da OPEP e é um valor nominal, ou seja, não inclui a inflação.

A sugestão na terça-feira do ministro do Petróleo da Nigéria, Emmanuel Ibe Kachikwu, de que o grupo realizará em breve uma reunião extraordinária para decidir medidas que travem a queda do preço foi descartada rapidamente pelo homólogo dos Emirados Árabes Unidos, Suhail Al-Mazrouei.

Esta recusa mostra a divisão no seio da OPEP e a dificuldade desta de alcançar um acordo sobre uma política conjunta que reduza o excesso de oferta de petróleo no mercado que há mais de um ano tem empurrado para baixo os preços.

O conflito diplomático entre a Arábia Saudita e o Irão, ambos sócios fundadores da OPEP mas tradicionalmente em confrontos como poderes regionais, torna ainda mais difícil aquele entendimento.

As últimas previsões da OPEP apontam para que o preço do barril de petróleo comece a recuperar este ano, depois da brutal queda de 2015 para os níveis mais baixos da última década, e suba até aos 80 dólares em 2020 e os 160 dólares em 2040.

Este cálculo da OPEP consta no relatório Previsões Mundiais do Petróleo 2015 e foi feito com base numa estimativa de que a economia mundial cresça entre 3,5% e 3,7% no período entre 2016 e 2020 e entre 3,6% e 3,3% nas duas décadas seguintes.

A queda dos preços do petróleo agudizou-se desde o princípio de dezembro de 2015, depois dos ministros da OPEP não terem conseguido chegar a um acordo em relação a um 'plafond' conjunto de produção, apesar do excesso de oferta no mercado.

Este excesso de oferta de petróleo ocorreu numa altura em que os países emergentes, especialmente a China, reduziram as estimativas de crescimento económico e de consumo de energia.

Neste contexto, analistas de alguns bancos de investimento, como o Goldman Sachs, não afastam a hipótese de que a atual tendência possa afundar a cotação do petróleo até aos 20 dólares.

Lusa

  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52