sicnot

Perfil

Economia

Portugal emite 4.000 M€ em dívida a 10 anos na primeira operação sindicada do ano

Portugal emitiu hoje Obrigações do Tesouro (OT) a 10 anos no montante de 4.000 milhões de euros, tendo conseguido uma taxa de juro de 2,973%, numa emissão dívida sindicada, a primeira deste ano.

(Arquivo)

(Arquivo)

A Agência de Gestão do Crédito e da Dívida Pública (IGCP) anunciou hoje em comunicado que a operação foi realizada pelo Barclays, pela CaixaBI, pelo Goldman Sachs International, pelo HSBC, pelo Morgan Stanley e pelo Société Générale e que os títulos vencem a 21 de julho de 2026.

Esta foi a primeira emissão sindicada de dívida pública deste ano feita pelo IGCP, que mandatou um sindicato composto por seis instituições financeiras, depois de ter anunciado a 07 de janeiro a emissão bruta de 18 a 20 mil milhões de euros de dívida de médio a longo prazo ao longo de 2016, tanto através de leilões como de sindicatos.

Na última emissão de dívida a 10 anos, realizada através de leilão a 25 de novembro, o IGCP colocou 995 milhões de euros no mercado a uma taxa de 2,42%, superior à da emissão anterior.

O analista de mercados Filipe Silva, do Banco Carregosa, considera que "a taxa de hoje, sendo mais alta, não representa um salto muito significativo", uma vez que "está em linha com a curva da dívida portuguesa".

"Não me parece que a esta subida corresponda um aumento do risco da dívida, porque nada mudou nesse aspeto. Além disso, esta emissão só vence em julho de 2026, ou seja, é de 10 anos e sete meses, o que também pode ter contribuído para a subida da taxa", justificou o analista.

No comunicado, o IGCP adianta que aproveitou "a forte reabertura do mercado primário europeu" no arranque de 2016 e o "período de estabilidade" do mercado de dívida soberana para lançar uma nova linha de OT a 10 anos.

A agência que gere a dívida pública portuguesa dá conta de uma "forte procura" pelos títulos de dívida portuguesa e diz que, menos de duas horas depois de lançados os preços iniciais indicativos, as manifestações de interesse da parte dos investidores ultrapassaram os 7.000 milhões de euros.

O livro de ordens de compra foi fechado quando estas ultrapassaram os 12 mil milhões de euros, envolvendo mais de 300 contas. O volume final da emissão foi fixado nos 4.000 milhões de euros, com uma taxa de cupão de 2,975 euros e uma 'yield' de 2,973.

A entidade liderada por Cristina Casalinho indica ainda que a distribuição geográfica dos investidores "foi diversificada", tendo contado com uma "grande participação" dos investidores do Reino Unido (24,3%), seguindo-se os de França, Itália e Espanha (22,9%), da Alemanha, Áustria e Suíça (14,9%).

Os investidores da América do Norte representaram 13,8% do total de investidores e os portugueses apenas 11% do total, surgindo depois os da Escandinávia (7,7%).

Já numa análise por tipo de investidor, a maior parte da procura veio de fundos de investimento (47%), do setor bancário (31,7%) e das seguradoras e fundos de pensões (13,9%).

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.