sicnot

Perfil

Economia

Dívida pública deverá ficar acima dos 129% do PIB

O Conselho de Finanças Públicas (CFP) estimou hoje que a dívida pública portuguesa em 2015 seja superior à previsão do Governo e antecipa que se tenha fixado "acima dos 129% do PIB" no final do ano passado.

© Dado Ruvic / Reuters

No seu relatório "Evolução económica e orçamental até ao final do 3.º trimestre e perspetivas para 2015", hoje publicado, o CFP escreve que "o rácio da dívida pública deverá terminar o ano acima da estimativa do Ministério das Finanças" do anterior Governo, que apontava para os 124,4% no Programa de Estabilidade e que foi revista em alta para os 125,2% do PIB na segunda notificação no âmbito do Procedimento dos Défices Excessivos. O Governo de António Costa, por sua vez, previu que a dívida ficaria nos 128,2% do PIB em 2015.

No entanto, a instituição liderada por Teodora Cardoso conclui que, para reduzir a dívida para os 124,2% do PIB, isso "implicaria uma redução de cerca de 6,3 pontos percentuais do PIB no último trimestre" e que, "para alcançar o objetivo nominal traçado pelo Ministério das Finanças, o 'stock' da dívida deveria ter-se reduzido em 2,7 mil milhões de euros ao longo de 2015, o que não se veio a verificar até final de novembro".

Nos primeiros onze meses do ano passado, o valor nominal de dívida pública "foi sempre superior ao valor registado no final de 2014", tendo atingido em novembro 231,3 mil milhões de euros, recorda o CFP.

O organismo acrescenta que, de acordo com a informação disponível, se espera que "o efeito conjugado das operações ocorridas no mês de dezembro [a medida de resolução do Banif], não tenha permitido alcançar aquela meta".

Por isso, o CFP prevê que "o rácio da dívida pública tenha ultrapassado a meta do Ministério das Finanças, fixando-se acima de 129% do PIB", um desvio cuja dimensão resultará do 'stock' de dívida verificado e do nível do PIB nominal de 2015.

A dívida pública na ótica de Maastricht subiu para os 130,5% em setembro, um aumento de 1,9 pontos percentuais do PIB face ao registado em junho, ainda que tenha ficado abaixo do verificado em setembro de 2014 (altura em que a dívida atingiu os 132,3% do PIB).

Quanto à dívida líquida de depósitos da administração central, esta aumentou 900 milhões de euros até setembro, para os 212,6 mil milhões de euros, o equivalente a 119,6% do PIB.

O CFP refere que "os depósitos tiveram um acréscimo de 26% face ao trimestre anterior, tendo atingido 19,3 mil milhões de euros" em setembro do ano passado, e que, "ao contrário do que aconteceu no trimestre anterior em que se verificou uma utilização expressiva de depósitos, neste período, existiu um reforço dos depósitos, correspondente essencialmente ao valor das OT [Obrigações do Tesouro] emitidas".

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.