sicnot

Perfil

Economia

Associação Empresarial Portuguesa diz que fim de sanções ao Irão abre oportunidades

A Associação Empresarial Portuguesa (AEP) congratulou-se hoje com o fim das sanções ao Irão, que considera ser "um mercado promissor para as empresas portuguesas", convidando-as a "aproveitar as oportunidades que se abrem" agora.

Reuters

Em comunicado, o presidente da AEP, Paulo Nunes de Almeida, congratula-se com o fim definitivo do embargo ao Irão, felicitando as autoridades da República Islâmica do Irão, da União Europeia e dos Estados Unidos da América, pelo "impulso que deram ao livre comércio internacional".

"Com o efetivo levantamento de todos os obstáculos que se colocavam ao relacionamento comercial com o Irão, as empresas portuguesas devem encarar aquele país como um promissor mercado, cujo espetro económico supera em muito os cerca de 80 milhões de habitantes do país", afirma o presidente da AEP.

Lembrando que "nunca deixou de manter" um relacionamento com o país, a associação organizou duas ações de promoção extra no Irão, a realizar este ano, no âmbito do programa de internacionalização 'Business in the way': a primeira, com a deslocação da associação a Teerão, em fevereiro, entre os dias 19 e 24, e a segunda, em abril, nos dias 24 a 27, onde representará Portugal na feira de construção 'Project Iran' ('Projeto Irão'), que decorrerá na capital iraniana.

"Incentivamos, desde já, as empresas portuguesas, interessadas em aproveitar as oportunidades que se abrem com o levantamento internacional das sanções ao Irão, a juntarem-se a nós", afirma a associação.

O Conselho de Segurança da ONU levantou, no sábado, as sanções ao país, depois de a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) ter confirmado que as autoridades iranianas cumpriram todas as exigências para iniciar o acordo nuclear internacional.

No mesmo dia, os Estados Unidos e a União Europeia decidiram levantar as sanções económicas e financeiras aplicadas ao Irão, entrando em vigor o acordo nuclear assinado em julho, em Viena.

Lusa

  • Governo enfrenta vaga de contestação
    2:35

    Economia

    O Governo enfrenta uma onda de contestação. Guardas prisionais, procuradores, professores, médicos e enfermeiros descontentes ameaçam com greves nos diferentes setores, já nos meses de março e abril.

  • Bastonário dos médicos diz que a classe deixou de acreditar no ministro da Saúde
    2:24

    País

    Desde Março do ano passado que perto de mil médicos especialistas aguardam colocação nos hospitais. O concurso, prometido várias vezes pelo ministro da Saúde, não abriu ainda por falta de autorização do Ministério das Finanças. Amanhã, quinta-feira, um grupo destes médicos vai à Assembleia da República entregar uma carta que entretanto já seguiu para os ministros da Saúde e Finanças.

  • Proposta criação de 77 mil empregos através de uma descida da TSU
    1:23
  • 296 mortos em 2 dias de bombardeamentos em Ghouta Oriental
    2:16
  • Tiroteio na Florida foi o 18.º registado em meio escolar nos EUA desde janeiro
    1:25