sicnot

Perfil

Economia

Dólar a caminho dos 350 kwanzas nas ruas de Luanda

O dólar norte-americano ultrapassou a barreira dos 300 kwanzas, moeda nacional angolana, nas ruas de Luanda, mercado que se tornou praticamente no único possível para aceder a divisas, devido à crise atual.

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

Uma ronda feita hoje pela Lusa nas ruas de Luanda, onde dezenas de mulheres - conhecidas por "kinguilas" - se dedicam a este negócio, confirmou que para comprar cada dólar são agora precisos entre 320 a 350 kwanzas (cerca de dois euros).

Trata-se do valor mais alto na comercializaçaão (venda) de dólares no mercado informal.

A forte subida de preço para comprar dólares no mercado informal, nos últimos dias, acompanha a desvalorização da moeda nacional realizada pelo Banco Nacional de Angola (BNA) na primeira semana de janeiro.

O kwanza caiu assim para o valor mais baixo desde setembro de 2001, desvalorizando 15% para cerca de 156 kwanzas (92 cêntimos de euro) por dólar, que acresce à quebra de 24% em 2015.

O mercado das "kinguilas" está assim a transacionar dólares ao dobro da taxa de câmbio oficial do país, enquanto as casas de câmbio praticamente não vendem dólares e o envio de remessas para o estrangeiro por transferência bancária apresenta vários constrangimentos, nomeadamente atrasos nas autorizações do BNA.

Na origem das dificuldades está a crise económica, financeira e cambial que afeta Angola, decorrente da quebra na cotação do barril de crude no mercado internacional, o que fez reduzir para menos de metade as receitas fiscais com a exportação de petróleo.

Em novembro, o banco central começou a limitar o acesso aos dólares, restringindo o montante que disponibilizava aos bancos comerciais, em resultado da descida de mais de 65% no preço do petróleo desde junho de 2014, o que reduziu drasticamente a disponibilidade da moeda norte-americana.

Sem dólares, os bancos comerciais começaram a limitar os levantamentos ao balcão, mesmo de contas em moeda estrangeira, tornado o mercado de rua como única alternativa.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.