sicnot

Perfil

Economia

Dólar a caminho dos 350 kwanzas nas ruas de Luanda

O dólar norte-americano ultrapassou a barreira dos 300 kwanzas, moeda nacional angolana, nas ruas de Luanda, mercado que se tornou praticamente no único possível para aceder a divisas, devido à crise atual.

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

Uma ronda feita hoje pela Lusa nas ruas de Luanda, onde dezenas de mulheres - conhecidas por "kinguilas" - se dedicam a este negócio, confirmou que para comprar cada dólar são agora precisos entre 320 a 350 kwanzas (cerca de dois euros).

Trata-se do valor mais alto na comercializaçaão (venda) de dólares no mercado informal.

A forte subida de preço para comprar dólares no mercado informal, nos últimos dias, acompanha a desvalorização da moeda nacional realizada pelo Banco Nacional de Angola (BNA) na primeira semana de janeiro.

O kwanza caiu assim para o valor mais baixo desde setembro de 2001, desvalorizando 15% para cerca de 156 kwanzas (92 cêntimos de euro) por dólar, que acresce à quebra de 24% em 2015.

O mercado das "kinguilas" está assim a transacionar dólares ao dobro da taxa de câmbio oficial do país, enquanto as casas de câmbio praticamente não vendem dólares e o envio de remessas para o estrangeiro por transferência bancária apresenta vários constrangimentos, nomeadamente atrasos nas autorizações do BNA.

Na origem das dificuldades está a crise económica, financeira e cambial que afeta Angola, decorrente da quebra na cotação do barril de crude no mercado internacional, o que fez reduzir para menos de metade as receitas fiscais com a exportação de petróleo.

Em novembro, o banco central começou a limitar o acesso aos dólares, restringindo o montante que disponibilizava aos bancos comerciais, em resultado da descida de mais de 65% no preço do petróleo desde junho de 2014, o que reduziu drasticamente a disponibilidade da moeda norte-americana.

Sem dólares, os bancos comerciais começaram a limitar os levantamentos ao balcão, mesmo de contas em moeda estrangeira, tornado o mercado de rua como única alternativa.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52