sicnot

Perfil

Economia

Insolvências de empresas aumentam 7,6% em 2015, indica empresa de gestão de risco

As insolvências de empresas aumentaram 7,6% em 2015, face ao ano anterior, abrangendo 7.288 empresas, revelou hoje a empresa de gestão de risco IGNIOS, que atribui este crescimento ao colapso do sistema informático Citius.

(Arquivo)

(Arquivo)

"Retirando o efeito da quebra processual do Citius registada em 2014, este indicador [das insolvências] ter-se-ia mantido estável entre 2014 e 2015", conclui a empresa, com base em dados do seu 'Observatório de Negócios, Insolvências, Créditos Vencidos e Constituições' de dezembro último.

Para o presidente executivo da IGNIOS, António Monteiro, "esta situação acabou por resultar numa quebra artificial das insolvências em 2014", uma vez que sem o efeito do Citius "no total do ano 2015 haveria uma estagnação" do indicador de insolvências de empresas.

Em 2015, a IGNIOS contabiliza um total de 7.288 empresas insolventes, acima das 6.773 empresas insolventes registadas em 2014, sendo a maioria dos distritos de Lisboa (22,9% do total), Porto (20,4%) e Braga (12,4%), e dos setores de atividade da construção (17,5%l) e do comércio a retalho (15,8%) e por grosso (11,6%).

A base de dados da IGNIOS contabiliza a constituição de 37.419 novas empresas em Portugal, no ano passado a um ritmo médio diário de 102 novas empresas, o que revela um aumento de 6,1% face a 2014.

António Monteiro considera este aumento "muito positivo", por ser "uma prova da recuperação da economia" e um "reflexo do aumento da confiança" das pessoas.

A maioria das novas empresas constituídas no ano passado é dos distritos de Lisboa (29,2% do total de constituições) e Porto (18,6%), e dos setores de atividade comércio do retalho (11,8%) e hotelaria e restauração (11,5%).

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.