sicnot

Perfil

Economia

Insolvências de empresas aumentam 7,6% em 2015, indica empresa de gestão de risco

As insolvências de empresas aumentaram 7,6% em 2015, face ao ano anterior, abrangendo 7.288 empresas, revelou hoje a empresa de gestão de risco IGNIOS, que atribui este crescimento ao colapso do sistema informático Citius.

(Arquivo)

(Arquivo)

"Retirando o efeito da quebra processual do Citius registada em 2014, este indicador [das insolvências] ter-se-ia mantido estável entre 2014 e 2015", conclui a empresa, com base em dados do seu 'Observatório de Negócios, Insolvências, Créditos Vencidos e Constituições' de dezembro último.

Para o presidente executivo da IGNIOS, António Monteiro, "esta situação acabou por resultar numa quebra artificial das insolvências em 2014", uma vez que sem o efeito do Citius "no total do ano 2015 haveria uma estagnação" do indicador de insolvências de empresas.

Em 2015, a IGNIOS contabiliza um total de 7.288 empresas insolventes, acima das 6.773 empresas insolventes registadas em 2014, sendo a maioria dos distritos de Lisboa (22,9% do total), Porto (20,4%) e Braga (12,4%), e dos setores de atividade da construção (17,5%l) e do comércio a retalho (15,8%) e por grosso (11,6%).

A base de dados da IGNIOS contabiliza a constituição de 37.419 novas empresas em Portugal, no ano passado a um ritmo médio diário de 102 novas empresas, o que revela um aumento de 6,1% face a 2014.

António Monteiro considera este aumento "muito positivo", por ser "uma prova da recuperação da economia" e um "reflexo do aumento da confiança" das pessoas.

A maioria das novas empresas constituídas no ano passado é dos distritos de Lisboa (29,2% do total de constituições) e Porto (18,6%), e dos setores de atividade comércio do retalho (11,8%) e hotelaria e restauração (11,5%).

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.