sicnot

Perfil

Economia

OPEP diz que equilíbrio de preços do petróleo começa este ano

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) anunciou hoje que espera um "processo de reequilíbrio" do preço do petróleo a começar em 2016 porque a acentuada descida das cotações vai fazer com que a produção dos seus concorrentes, como os Estados Unidos, comece a cair.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

© Dan Riedlhuber / Reuters

Segundo a OPEP, a produção dos países fora do cartel tiveram sete anos de crescimento "fenomenal", pelo que se espera um abrandamento, o que faria com que a estratégia da organização seja uma meia vitória, apesar de o crude continuar a ser vendido abaixo dos 30 dólares por barril, quando no início de 2014 esteve a 100 dólares por barril.

"A análise indica que o ano de 2016 será orientado para a oferta, em que o processo de reequilíbrio começa", refere a OPEP no seu relatório mensal de janeiro.

"Depois de sete anos consecutivos de fenomenal crescimento da oferta não-OPEP, muitas vezes superior a dois milhões de barris por dia, em 2016 está previsto que haja um declínio da produção com efeitos profundos no corte do CAPEX (despesas de capital)", diz o documento.

O relatório indica que a produção não-OPEP nos próximos seis meses "será sensível à baixa enorme dos preços do petróleo, pelo que o seu ponto de equilíbrio não será capaz de tolerar as condições de preço".

A previsão da OPEP para o crescimento global da procura de petróleo este ano foi ajustada ligeiramente para cima, para 1,26 milhões de barris por dia (mbpd) para chegar a 94,17 mbpd.

Os preços do petróleo, que estão a cotar-se hoje abaixo dos 28 dólares por barril, caíram acentuadamente nos últimos meses devido à desaceleração da economia chinesa e da perspetiva de o Irão voltar ao mercado após o acordo sobre os ensaios nucleares em julho passado.

O país agora está livre para começar a produzir crude, adicionando a um excesso de oferta, o que - juntamente com a fraca procura e uma desaceleração da economia global - reduziu os preços em cerca de três quartos desde meados de 2014.

No passado, a OPEP tem respondido às quedas de preços reduzindo a produção, mas desta vez a organização optou por manter a operação.

Impulsionada pela Arábia Saudita, a OPEP quer manter a quota e quer retirar do mercado os Estados Unidos que com o seu petróleo de xisto precisam de um preço do petróleo mais elevado para ganhar dinheiro.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.