sicnot

Perfil

Economia

Fidelidade torna-se primeira empresa portuguesa a poder investir na bolsa chinesa

A seguradora Fidelidade tornou-se a primeira empresa portuguesa a ter exposição direta ao mercado de capitais chinês, após ter recebido uma quota de 700 milhões de dólares para investir nas bolsas de Xangai e de Shenzhen.

Trata-se de uma quota superior à atribuída a "tubarões" como o Morgan Stanley, JP Morgan e Goldman Sachs, também autorizados a investir no mercado chinês através do mecanismo Qualified Foreign Institutional Investor (QFII).

Aquele programa, criado em 2003, permite a um grupo restrito de entidades estrangeiras investir em 'A Shares' denominadas na moeda chinesa (yuan) e compreende 81,1 mil milhões de dólares em capital.

Composto por 294 empresas, abrange os maiores bancos e seguradoras do mundo, desde os Estados Unidos à Austrália.

"A Fidelidade passa assim a ser a companhia de seguros estrangeira com maior quota para investir no mercado de capitais chinês", notou à Lusa Pedro Dinis, analista português da Z-Ben Advisors, uma consultora com sede em Xangai.

A empresa comprada à Caixa Geral de Depósitos (CGD) em 2014 pelo Fosun, considerado um dos mais lucrativos consórcios privados da China, detém cerca de 30% do mercado segurador português.

"Este processo visa reduzir a exposição da Fidelidade ao Grupo CGD, com o objetivo de passar a ser usada como um veículo de investimento do Fosun", comentou Dinis.

"A Fidelidade poderá agora oferecer aos clientes a possibilidade de investir no mercado de capitais chinês, desenhando produtos para tal, investir por si mesma, ou alugar parte da quota a outros grupos portugueses", disse.

O mercado de capitais chinês está entre os mais isolados do mundo, devido ao rigoroso controlo dos fluxos de capital imposto pelas autoridades do país.

É também um dos mais voláteis: desde o início de 2016 desvalorizou-se quase 20% e em agosto passado recuou 40%, depois de ter avançado 150% no espaço de quase um ano.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.