sicnot

Perfil

Economia

Fidelidade torna-se primeira empresa portuguesa a poder investir na bolsa chinesa

A seguradora Fidelidade tornou-se a primeira empresa portuguesa a ter exposição direta ao mercado de capitais chinês, após ter recebido uma quota de 700 milhões de dólares para investir nas bolsas de Xangai e de Shenzhen.

Trata-se de uma quota superior à atribuída a "tubarões" como o Morgan Stanley, JP Morgan e Goldman Sachs, também autorizados a investir no mercado chinês através do mecanismo Qualified Foreign Institutional Investor (QFII).

Aquele programa, criado em 2003, permite a um grupo restrito de entidades estrangeiras investir em 'A Shares' denominadas na moeda chinesa (yuan) e compreende 81,1 mil milhões de dólares em capital.

Composto por 294 empresas, abrange os maiores bancos e seguradoras do mundo, desde os Estados Unidos à Austrália.

"A Fidelidade passa assim a ser a companhia de seguros estrangeira com maior quota para investir no mercado de capitais chinês", notou à Lusa Pedro Dinis, analista português da Z-Ben Advisors, uma consultora com sede em Xangai.

A empresa comprada à Caixa Geral de Depósitos (CGD) em 2014 pelo Fosun, considerado um dos mais lucrativos consórcios privados da China, detém cerca de 30% do mercado segurador português.

"Este processo visa reduzir a exposição da Fidelidade ao Grupo CGD, com o objetivo de passar a ser usada como um veículo de investimento do Fosun", comentou Dinis.

"A Fidelidade poderá agora oferecer aos clientes a possibilidade de investir no mercado de capitais chinês, desenhando produtos para tal, investir por si mesma, ou alugar parte da quota a outros grupos portugueses", disse.

O mercado de capitais chinês está entre os mais isolados do mundo, devido ao rigoroso controlo dos fluxos de capital imposto pelas autoridades do país.

É também um dos mais voláteis: desde o início de 2016 desvalorizou-se quase 20% e em agosto passado recuou 40%, depois de ter avançado 150% no espaço de quase um ano.

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.