sicnot

Perfil

Economia

Governo garante que não altera regras de cálculo das pensões já atribuídas

O Governo garante que não vai alterar as regras de cálculo das reformas e pensões já atribuídas a título definitivo e prevê reavaliar o fator de sustentabilidade, considerando as mudanças do mercado de trabalho e a evolução demográfica.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

De acordo com a proposta das Grandes Opções do Plano (GOP) 2016-2019, que o Governo enviou ao Conselho Económico e Social (CES) e à qual a Lusa teve acesso, o executivo quer "reforçar a sustentabilidade, a equidade e a eficácia redistributiva do sistema" de Segurança Social.

Nesse sentido, e para garantir a melhoria das condições de sustentabilidade (financeira, económica e social) do sistema, deve ser tido em conta "a idade da reforma e a esperança de vida, a evolução demográfica do país, as mudanças no mercado laboral, a taxa de substituição do rendimento, bem como a eficácia dos sistemas contributivos em termos de equidade e de combate à evasão e à fraude".

Para tal, o Governo propõe-se, durante a legislatura, a "estudar o reforço do financiamento e da sustentabilidade da Segurança Social, através da diversificação das suas fontes de financiamento" e a "garantir a não alteração das regras de cálculo das prestações já atribuídas a título definitivo", ao contrário do que aconteceu com o anterior executivo.

O Governo quer também reavaliar o fator de sustentabilidade "face às alterações ocorridas, quer de contexto, quer legislativas", bem como "as isenções e reduções da taxa contributiva para a Segurança Social".

Estas recomendações surgem num capítulo das GOP intitulado "Garantir a sustentabilidade da Segurança Social", no qual o executivo propõe também uma gestão sustentável e transparente do sistema mediante uma "avaliação rigorosa", ou seja, o executivo quer "simplificar, aproximar e facilitar o acesso dos cidadãos à informação".

Neste âmbito, o Governo irá avaliar "com rigor a evolução do sistema de Segurança Social nos últimos anos, o impacto das medidas tomadas e os efeitos da crise económica nos equilíbrios financeiros dos sistemas de pensões, bem como os novos desafios decorrentes das transformações demográficas e do mercado de trabalho".

Serão ainda promovidos "estudos transparentes" e criado um sistema de estatísticas da Segurança Social. O Governo quer também "promover uma gestão pública cuidada e criteriosa do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, bem como o seu reforço".

É igualmente proposta a convergência entre a Caixa Geral de Aposentações (CGA) e o Regime Geral de Segurança Social (RGSS), garantindo a "harmonização progressiva dos diferentes regimes no que concerne à formação e às regras de cálculo das pensões, de forma a assegurar um tratamento mais igual e a eliminar as discrepâncias que ainda subsistem".

Lusa

  • Mudanças fiscais e na função pública em 2016
    2:32

    Economia

    Os funcionários públicos vão receber no próximo ano o dinheiro dos cortes salariais do período da troika e vão trabalhar apenas 35 horas por semana. As pensões mais baixas vão aumentar e o salário mínimo nacional sobe para 530 euros, já em Janeiro. Numa rápida volta por Lisboa, vamos tentar perceber o que vai mudar na vida dos portugueses.

  • Marcelo rejeita alimentar polémicas sobre alegadas contradições
    1:55

    Presidenciais 2016

    Marcelo Rebelo de Sousa foi acusado de ter mentido no debate desta segunda-feira à noite, na SIC Notícias. A candidata Marisa Matias garantiu que o antigo comentador da TVI defendeu, em 2012, que os cortes de salários e pensões eram constitucionais. Marcelo desmentiu e já esta terça-feira disse não querer alimentar polémicas, depois de o Bloco de Esquerda ter divulgado um vídeo a mostrar aparentes contradições.

  • Para onde vai a sociedade?
    5:35

    15 Anos SIC Notícias

    Nos 15 anos da SIC Notícias que hoje se completam, olhamos sobretudo para o futuro. E fazemos perguntas, o exercício essencial do jornalismo. O que seremos daqui a outros 15 anos? Que sociedade espera os mais velhos e os nosso filhos? Que qualidade de vida conseguiremos garantir com os salários e pensões a descer? Como se viverá nas cidades?E quantas aldeias mais vão ficar desertas? Neste exercício de olhar para o futuro, partimos do passado e do presente de uma típica família portuguesa.

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.