sicnot

Perfil

Economia

Organização Internacional do Trabalho estima mais 2,3 milhões de desempregados em 2016

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estimou hoje que o abrandamento económico global em 2015 tenha um impacto desfasado nos mercados de trabalho em 2016, com o número de desempregados a subir 2,3 milhões em todo o mundo.

Em relação ao trimestre anterior, de junho a agosto de 2015, 323 mil pessoas perderam os seus postos de trabalho, ou seja, um aumento de 3,7%.

Em relação ao trimestre anterior, de junho a agosto de 2015, 323 mil pessoas perderam os seus postos de trabalho, ou seja, um aumento de 3,7%.

© Paulo Whitaker / Reuters

"Com base nas mais recentes projeções de crescimento, o desemprego global deverá subir quase 2,3 milhões em 2016 e mais 1,1 milhão em 2017", refere a OIT no relatório "Perspetivas do Emprego e das questões Sociais no Mundo", hoje publicado.

Segundo a organização, isto reflete, em grande parte, as perspetivas do agravamento dos mercados de trabalho nas economias emergentes da Ásia, América Latina e produtores de matérias-primas ('commodities'), nomeadamente na região Árabe e África.

Nas economias avançadas, o número de desempregados deverá diminuir ligeiramente, sendo compensando apenas marginalmente com o aumento nas economias emergentes, com o desemprego a permanecer perto de "picos históricos" em muitos países europeus.

Nos EUA e noutras economias avançadas, onde o desemprego irá cair para taxas pré-crise, as perspetivas são de manutenção ou aumento do subemprego (emprego cujo desempenho implica qualificações inferiores àquelas que o empregado possui).

Dependendo da economia, esta questão acarreta modalidades de trabalho temporário ou a tempo parcial involuntário e taxas de atividade mais baixas, especialmente entre as mulheres e os jovens, refere a OIT.

Em 2015, segundo a organização, o desemprego atingiu 197,1 milhões de pessoas, quase um milhão a mais do que no ano anterior e 27 milhões acima dos níveis anteriores à crise.

No documento, a OIT avisa que se as respostas políticas atuais se mantiverem, as perspetivas são "de contínuo enfraquecimento económico, colocando assim desafios significativos às empresas e aos trabalhadores".

Com efeito, refere, nos próximos dois anos, prevê-se que a economia mundial cresça apenas cerca de 3%, significativamente menos do que acontecia antes do surgimento da crise global.

"Este aumento do número de pessoas à procura de emprego em 2015 vem principalmente de países emergentes e em desenvolvimento. As perspetivas de emprego em alguns destes países deverão agravar-se nos próximos meses, nomeadamente na América Latina, bem como nalguns países da Ásia (especialmente a China) e num número de países exportadores de petróleo na região árabe", sinaliza a OIT.

Apesar das melhorias recentes, as taxas de desemprego permanecem elevadas também no sul da Europa e o desemprego tende a aumentar nas economias avançadas mais expostas ao abrandamento registado nas economias emergentes da Ásia, tornando cada vez mais vulneráveis os empregos existentes.

"A baixa qualidade dos empregos continua a ser um assunto premente em todo o mundo. A incidência de emprego vulnerável -- a parte do trabalho por conta própria e trabalho familiar não remunerado, categorias de trabalho normalmente sujeitas a níveis elevados de precariedade -- está com uma descida menor do que a que se verificava antes do início da crise global", acrescenta.

Para a organização, é particularmente importante reforçar os aspetos institucionais do mercado de trabalho e sistemas de proteção social bem concebidos a fim de evitar novos aumentos no desemprego de longa duração, subemprego e de trabalhadores pobres.

"Também é necessário um reequilíbrio nos esforços reformistas. Em particular, a reforma do sistema financeiro precisa de assegurar que os bancos cumpram o seu papel de canalizar recursos para a economia real e para o investimento na expansão de empresas sustentáveis e criação de emprego", acrescenta.

Em suma, segundo a OIT, "fazer do trabalho digno um pilar central da estratégia política aliviaria não apenas a crise do emprego, mas também contribuiria para colocar a economia mundial num caminho melhor e mais sustentável de crescimento económico".

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.