sicnot

Perfil

Economia

Pesada recessão no Brasil pode afundar economia da América Latina em 2016

O secretário-geral da OCDE, Ángel Gurría, admitiu hoje que "é muito difícil" que a economia da América latina, no seu conjunto, consiga crescer este ano, devido à forte recessão que deve continuar a abalar o Brasil.

(Reuters / Arquivo)

(Reuters / Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

Em declarações à agência de notícias espanhola Efe, o líder da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) fez notar que o peso que o Brasil tem no conjunto da economia latino-americana dificulta que o Produto Interno Bruto (PIB) da região consiga ser positivo em 2016, sobretudo porque o crescimento dos outros grandes países também deverá ser débil.

Ángel Gurría comentava assim às novas previsões da economia mundial publicadas hoje pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que estima uma contração de 0,3% da economia da América Latina e das Caraíbas em 2016, grupo no qual se inclui o Brasil, que deverá ter uma recessão de 3,5% do seu PIB este ano.

Ainda em 2015, estima o FMI, a economia do grupo dos países latinos já deverá ter recuado 0,3%, sendo que a do Brasil deverá ter caído 3,8%.

A OCDE estimava, numa síntese de vários estudos sobre a América Latina, que embora não tivesse dados macroeconómicos atualizados foi divulgada hoje, que a região teria este ano "uma recuperação modesta" depois de uma "ligeira contração" em 2015.

Ángel Gurría fez notar que os grandes produtores de petróleo da região estão a ser muito afetados pelo afundar do preço do barril, sublinhando no entanto a diferença entre eles, nomeadamente no México, o seu país de origem.

O México, considerou, tem-se mostrado mais resistente às quedas do preço do petróleo devido às reformas que tomou nos últimos anos, na educação, inovação, investigação e desenvolvimento, mas também em impostos e na flexibilização dos mercados de trabalho e de produtos.

No caso do Brasil, o secretário-geral da OCDE disse que, além da queda do preço do petróleo, "criou-se um problema de reformas de políticas", com "problemas políticos".

Em qualquer caso, acrescentou, "nunca é tarde" para avançar com as reformas políticas, o que "pode dar um sinal aos mercados".

Questionado sobre as dificuldades para avançar com reformas estruturais neste momento de "vacas magras" na América Latina, Ángel Gurría respondeu que "o melhor momento nunca chega" e que a experiência mostra que "o pior é quando te forçam a fazer reformas".

A sua receita é que "se tem de fazer as reformas quando sejam necessárias" e que "é melhor em inicio de mandato" e quando "se têm maiorias".

Lusa

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.

  • Mouchão da Póvoa em risco de desaparecer
    1:58

    País

    A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira alerta para o risco de desaparecimento do Mouchão da Póvoa, uma dos três mouchões do Tejo, no concelho. Em causa está a falta de autorização, pedida à Agência Portuguesa do Ambiente, para uma intervenção de emergência nos diques.

  • Lixo, para que te quero?
    23:17
  • Tuk-tuk em protesto oferecem hoje passeios gratuitos em Lisboa

    País

    A Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) promove hoje a iniciativa "Cá vai Lisboa", com passeios gratuitos de tuk-tuk, para alertar a população para a "problemática" regulamentação municipal deste tipo de veículos.

  • Ricardo Robles apresentado como candidato do BE a Lisboa
    1:31

    Autárquicas 2017

    Ricardo Robles foi formalmente apresentado este sábado como candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Lisboa. No encerramento da convenção autárquica do partido, Catarina Martins fez críticas ao Governo, dizendo que o projeto de descentralização do Executivo é perigoso e ameaça a democracia.