sicnot

Perfil

Economia

Petróleo da OPEP nos 23,58 dólares atinge valor mais baixo desde abril de 2003

O petróleo de referência da OPEP cotou-se na segunda-feira a 23,58 dólares, menos 4,6% do que na véspera e o valor mais baixo desde abril de 2003, informou hoje em Viena a organização.

Com esta sexta depreciação diária consecutiva, a cotação da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) acumula uma perda de 25% desde o início do ano.

Com o mercado já sobre abastecido há meses, a prevista chegada de mais petróleo iraniano, uma vez levantadas as sanções que limitavam a sua exportação, está ainda a empurrar mais os preços para baixo.

A cotação do petróleo da OPEP já está perto da margem mínima denominada "banda de preços", que o grupo utilizou como referência até 2003, e que fixava o preço entre 22 e 28 dólares.

A OPEP manteve este sistema aplicando o simples mecanismo de aumentar as extrações se a cotação superasse o limite máximo e diminuir se esta se situasse abaixo do limite mínimo.

A "banda de preços" perdeu sentido com a subida do preço do petróleo, que começou em 2003 e teve um ponto máximo em julho de 2008, quando o preço do barril da OPEP subiu até ao máximo histórico de 140,73 dólares.

Os preços do grupo petrolífero referem-se ao barril de referência da OPEP, que se baseia numa mistura de 12 qualidades de petróleo dos Estados-membros da OPEP e é um valor nominal, ou seja, não inclui a inflação.

O baixo nível dos preços deve-se ao excesso de oferta, com o qual a Arábia Saudita, "peso pesado" da OPEP, pretende "expulsar" produtores alternativos de petróleo mais caro, sobretudo nos Estados Unidos.

A este fator junta-se a perspetiva de um aumento a curto prazo das exportações petrolíferas do Irão depois do levantamento das sanções internacionais contra aquele país, no âmbito do acordo nuclear acordado em julho último.

A queda dos preços do petróleo agudizou-se no princípio de dezembro de 2015, depois de os ministros da OPEP não terem conseguido chegar a um acordo em relação a um 'plafond' conjunto de produção, apesar do excesso de oferta no mercado.

Este excesso de oferta de petróleo ocorreu numa altura em que os países emergentes, especialmente a China, reduziram as estimativas de crescimento económico e de consumo de energia.

Neste contexto, analistas de alguns bancos de investimento, como o Goldman Sachs, não afastam a hipótese de que a atual tendência possa afundar a cotação do petróleo até aos 20 dólares.

As últimas previsões da OPEP apontam para que o preço do barril de petróleo comece a recuperar este ano, depois da brutal queda de 2015 para os níveis mais baixos da última década, e suba até aos 80 dólares em 2020, e para os 160 dólares em 2040.

Este cálculo da OPEP consta do relatório Previsões Mundiais do Petróleo 2015 e foi feito com base numa estimativa de que a economia mundial cresça entre 3,5% e 3,7% no período entre 2016 e 2020, e entre 3,6% e 3,3% nas duas décadas seguintes

  • Apoiar o Governo "é um dever constitucional"
    0:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que apoiar o Governo é um dever constitucional do Presidente da República. Num balanço do primeiro ano em Belém, Marcelo respondeu assim a quem o acusa de andar com o Governo "ao colo".

  • Brexit só avança com aprovação parlamentar
    3:04

    Brexit

    O Supremo Tribunal britânico decidiu que o Governo precisa de ter a aprovação do Parlamento para avançar com o Brexit. A decisão foi validada por uma maioria de oito contra três juízes e justificada esta terça-feira pelo Supremo britânico. Por consequência, a libra esterlina atingiu a cotação mais alta do ano em relação ao dólar.

  • Primeira-ministra da Escócia apela ao voto contra a saída da UE
    2:25

    Brexit

    Depois da decisão do Supremo Tribunal britânico em relação ao Brexit, a primeira-ministra da Escócia veio pedir aos deputados que votem contra a saída da União Europeia. Nicola Sturgeon vai apresentar uma moção no Parlamento escocês para que este se pronuncie sobre o Brexit.

  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.

  • As propostas Chanel para a próxima estação
    1:34

    Mundo

    Um dos desfiles mais aguardados do mundo da moda aconteceu esta segunda-feira, em Paris, com as propostas da casa Chanel para a próxima estação primavera/verão. No final do desfile, e pela primeira vez em 30 anos, Karl Lagarfeld não deu nenhuma entrevista à comunicação social.