sicnot

Perfil

Economia

Reposição salarial de 25% na função pública aplicada a partir de 4ªfeira

Os funcionários públicos vão receber a partir de quarta-feira o salário com a reposição de mais 25% do que lhes foi retirado em 2011, aproximando-se progressivamente do valor integral que será alcançado em outubro.

SIC

Os funcionários públicos têm a sua remuneração reduzida desde 2011, pela aplicação de cortes progressivos entre os 3,5% e os 10% aos salários acima dos 1.500 euros.

A reposição salarial tem sido a principal reivindicação das estruturas sindicais da função pública, que agora se congratulam com a devolução, ainda que progressiva, das remunerações.

O dirigente da Federação Nacional dos Sindicatos da Administração Pública (Fesap), José Abraão, disse à Lusa que "a reposição é positiva", embora preferisse a devolução total imediata dos salários.

Já a coordenadora da Frente Comum dos Sindicatos da Função Pública, Ana Avoila, também considerou que "era melhor receber tudo de imediato" e salientou que a reposição "já está a ser feita em cima de salários desvalorizados".

Igualmente contactada pela Lusa, a presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), Maria Helena Rodrigues, lembrou que "os trabalhadores que tiveram cortes salariais apenas vão reaver em outubro de 2016 o salário que tinham em 2009, depois de terem sido obrigados a fazer um esforço adicional para resolver questões do défice orçamental, que não foram resolvidas".

Com a reposição de 25% em janeiro, o ordenado líquido dos funcionários públicos vai aumentar cerca de 2% face ao mês de dezembro, depois das reduções nos cortes salariais e na sobretaxa introduzidas pelo Governo, segundo simulações da consultora PricewaterhouseCoopers (PwC) para a Lusa.

O plenário parlamentar de quarta-feira debate propostas legislativas do PS, PCP e Bloco de Esquerda que têm como objetivo repor em 2016 os complementos de reforma dos trabalhadores das empresas do setor empresarial do Estado.

O grupo parlamentar do Partido Comunista e o do Bloco de Esquerda (BE) apresentaram projetos de lei que defendem a reposição do pagamento de todos os complementos de pensões nas empresas do setor público, para entrarem em vigor com o Orçamento do Estado de 2016.

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.