sicnot

Perfil

Economia

Ikea Portugal aumenta salário mínimo para 600 euros brutos

A Ikea Portugal anunciou hoje que aumentou o salário mínimo de entrada dos seus trabalhadores a tempo inteiro para 600 euros brutos e que decidiu subir a remuneração dos seus colaboradores base numa média de 2,38%.

© Neil Hall / Reuters

Em comunicado, a multinacional sueca de mobiliário e decoração aponta que a subida do salário mínimo para 600 euros ilíquidos acontece "numa altura em que o Governo português revê o salário mínimo nacional para 530 euros".

Além disso, vai aumentar a remuneração "dos seus colaboradores base numa média de 2,38%, o que contrasta com a previsão de 0,5% para a subida da inflação em 2015".

"Para nós, na Ikea, o desenvolvimento do negócio só faz sentido a par do desenvolvimento das nossas pessoas. Os resultados que temos vindo a conquistar não são apenas consequência do conceito Ikea e da fantástica aceitação dos portugueses ao modelo de negócio da nossa empresa", refere a diretora de retalho da Ikea Portugal, Christiane Thomas, citada no comunicado.

"São, acima de tudo, fruto do excelente trabalho dos nossos 1.500 colaboradores. Esta é mais uma das formas de reconhecermos e retribuirmos o seu compromisso, especialmente dos que estão nos escalões de entrada. Esta decisão vem no seguimento da nossa estratégia de posicionar a Ikea como um dos melhores empregadores globais", acrescentou.

De acordo com a empresa, os trabalhadores da Ikea em Portugal beneficiam de "um conjunto alargado de benefícios sociais: seguro de saúde e de vida para colaboradores permanentes; cantina com preços reduzidos; serviço médico nas lojas; ajuda de nascimento e possibilidade de estender a licença de maternidade/paternidade em dois meses (programa 'passa mais tempo com o teu bébé') e desconto para colaboradores na gama de artigos Ikea".

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.