sicnot

Perfil

Economia

Portugal colocou 1,8 mil milhões em dívida a taxas negativas

Portugal colocou hoje 1.800 milhões de euros, acima do inicialmente previsto, em Bilhetes de Tesouro a seis e a 12 meses a taxas de juro negativas, mas mais altas do que as verificadas nos leilões comparáveis anteriores, foi anunciado.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters (Arquivo)

Segundo a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na agência Bloomberg, dos 1.800 milhões de euros colocados, 550 milhões de euros foram colocados em Bilhetes de Tesouro a seis meses a uma taxa de juro média de -0,013%, acima da de -0,018% verificada no anterior leilão para este prazo, em 18 de novembro do ano passado. A procura atingiu 1.290 milhões de euros, 2,35 vezes o montante colocado.

Os outros 1.250 milhões de euros foram colocados em BT a 12 meses a uma taxa de juro média de -0,001%, também superior à de -0,006% verificada no anterior leilão neste prazo, também de 18 de novembro. Neste prazo, a procura ascendeu a 2.043 milhões de euros, 1,63 vezes superior ao montante colocado.

O IGCP tinha anunciado que pretendia arrecadar nos dois leilões de hoje até 1.500 milhões de euros.

Durante o primeiro trimestre do ano, a agência liderada por Cristina Casalinho prevê emitir entre 3.000 milhões e 3.750 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro, através de seis leilões de dívida de curto prazo, entre os seis e os 12 meses.

No último leilão de Bilhetes de Tesouro a um ano, que ocorreu a 18 de novembro de 2015, o IGCP emitiu 1.100 milhões de euros a uma taxa negativa de 0,006%, inferior à de 0,051% praticada no anterior leilão comparável de 16 de setembro

No último leilão a seis meses, que ocorreu no mesmo dia, Portugal colocou 400 milhões de euros, também a uma taxa negativa, de -0,018%, abaixo da do anterior leilão comparável, de 0,006%, de 16 de setembro.

Lusa

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.