sicnot

Perfil

Economia

Análise de 240 fortunas levou a 44 ações de controlo

Os 240 contribuintes mais ricos conseguiram pagar menos impostos que as 12.500 famílias no último escalão de IRS, que já declaram rendimentos acima dos 80 mil euros ao ano. Da análise às declarações destes 240 contribuintes mais ricos nasceram 44 ações de controlo

(SIC/ ARQUIVO)

Segundo a edição de hoje do Jornal de Notícias, as 240 maiores fortunas declaradas pagaram entre 29 a 31% de imposto, contra os 37 e os 42% de taxa efetiva paga pelas 12.500 famílias que já estão no último escalão de IRS.

De acordo com o jornal Público, da análise às declarações destes 240 contribuintes mais ricos nasceram 44 ações de controlo, abertas pelas direções das finanças de Lisboa, Porto, Santarém e Setúbal. Em causa estão os contribuintes que declaram património superior a 25 milhões ou rendimentos de mais de 5 milhões de euros.

Estes são números que surgem depois da audiência no Parlamento da nova diretora geral da Autoridade Tributária sobre o controlo às grandes fortunas e os impostos pagos pelos mais ricos.

  • Ex-diretor do Fisco diz que é preciso alterar lei para facilitar combate à evasão fiscal
    0:34

    Economia

    O ex-diretor-geral da Autoridade Tributária reconhece que o Fisco não tem acesso a informação suficiente que permita investigar contribuintes com grandes fortunas e que pagam poucos impostos. José Azevedo Pereira foi chamado a prestar esclarecimentos no Parlamento, depois de ter revelado, na SIC Notícias, que há cerca de 240 contribuintes com patrimónios avaliados em milhões e que pagam muito poucos impostos. Números confirmados pela própria Autoridade Tributária, num documento que fez chegar à Assembleia, e onde se pode ler que estes contribuintes apenas pagaram 50 milhões de euros em IRS, quando deviam pagar cerca de 3 mil milhões.

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Costa alerta para "condições particularmente adversas"
    1:47

    País

    O primeiro-ministro alertou para a possibilidade de novos incêndios de grandes dimensões, muito por causa da situação de seca que grande parte do território atravessa. António Costa pediu aos portugueses um "particular cuidado com todos os comportamentos de risco".

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.