sicnot

Perfil

Economia

Análise de 240 fortunas levou a 44 ações de controlo

Os 240 contribuintes mais ricos conseguiram pagar menos impostos que as 12.500 famílias no último escalão de IRS, que já declaram rendimentos acima dos 80 mil euros ao ano. Da análise às declarações destes 240 contribuintes mais ricos nasceram 44 ações de controlo

(SIC/ ARQUIVO)

Segundo a edição de hoje do Jornal de Notícias, as 240 maiores fortunas declaradas pagaram entre 29 a 31% de imposto, contra os 37 e os 42% de taxa efetiva paga pelas 12.500 famílias que já estão no último escalão de IRS.

De acordo com o jornal Público, da análise às declarações destes 240 contribuintes mais ricos nasceram 44 ações de controlo, abertas pelas direções das finanças de Lisboa, Porto, Santarém e Setúbal. Em causa estão os contribuintes que declaram património superior a 25 milhões ou rendimentos de mais de 5 milhões de euros.

Estes são números que surgem depois da audiência no Parlamento da nova diretora geral da Autoridade Tributária sobre o controlo às grandes fortunas e os impostos pagos pelos mais ricos.

  • Ex-diretor do Fisco diz que é preciso alterar lei para facilitar combate à evasão fiscal
    0:34

    Economia

    O ex-diretor-geral da Autoridade Tributária reconhece que o Fisco não tem acesso a informação suficiente que permita investigar contribuintes com grandes fortunas e que pagam poucos impostos. José Azevedo Pereira foi chamado a prestar esclarecimentos no Parlamento, depois de ter revelado, na SIC Notícias, que há cerca de 240 contribuintes com patrimónios avaliados em milhões e que pagam muito poucos impostos. Números confirmados pela própria Autoridade Tributária, num documento que fez chegar à Assembleia, e onde se pode ler que estes contribuintes apenas pagaram 50 milhões de euros em IRS, quando deviam pagar cerca de 3 mil milhões.

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19

    Mundo

    O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos recebeu ao início da tarde na Noruega o prémio pelo trabalho que desenvolveu junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC. As cerimónias são este sábado e marcadas pela ausência do Nobel da Literatura, Bob Dylan.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.