sicnot

Perfil

Economia

Bancos podem vir a ser obrigados a comunicar ao Fisco saldos das contas

O Governo quer obrigar os bancos a fornecer mais informação sobre os clientes que residem em Portugal. Para além dos rendimentos das contas, os bancos poderão vir a fornecer também os saldos. Tudo indica que os bancos passem a dar ao Fisco português o mesmo tipo de informação sobre os clientes residentes que vão ter que enviar para o estrangeiro sobre os clientes não residentes no país.

De acordo com o Jornal de Negócios, a medida consta da proposta de Orçamento do Estado para 2016 sob a forma de autorização legislativa, o que significa que terá que ser aprovada pelo Parlamento.

A diretiva europeia de 9 de dezembro de 2014 prevê que os Estados comecem a trocar dados em setembro de 2017 sobre as contas detidas até 31 de dezembro de 2015. A diretiva dispensa desta comunicação saldos inferiores a 250 mil euros, mas alguns bancos poderão comunicar tudo, para não terem trabalho acrescido.

O Governo quer aproveitar a transposição da diretiva sobre troca automática de informações para ter acesso à informação bancárias dos residentes em Portugal.

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.