sicnot

Perfil

Economia

Metropolitano de Lisboa deve ficar de fora da "municipalização" prevista para a Carris

O Governo poderá manter a gestão do metropolitano de Lisboa na esfera estatal, em articulação com a autarquia, mas não deverá proceder à sua "municipalização" como acontecerá com a Carris, admitiu hoje o presidente do conselho metropolitano de Lisboa.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"O senhor ministro disse que, em relação ao metropolitano, o Estado continuará [na gestão], em conjunto com a Câmara de Lisboa, mas que não estaria prevista a sua municipalização, ao contrário do que acontece com a Carris", afirmou Basílio Horta (PS).

O presidente do conselho metropolitano, que falava após uma reunião privada dos 18 presidentes da Área Metropolitana de Lisboa (AML) sobre a transferência de competências nos transportes, dava conta da intenção transmitida pelo ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, em relação ao futuro do Metro e da Carris.

Para Basílio Horta, a AML tem a necessidade de discutir o modelo a adotar na gestão dos transportes, no âmbito do novo Regime Jurídico do Serviço Público de Transporte de Passageiros (RJSPTP), aprovado pelo primeiro Governo de Passos Coelho, e contestado por autarcas.

"Em relação aos municípios há uma grande base de concordância, até agora, ou seja, os municípios querem e percebe-se que nas linhas internas de transportes que sejam apenas intramunicipais haja uma proposta dos municípios e essa proposta seja vinculativa", explicou o também presidente da Câmara de Sintra.

No entanto, em matéria de "concursos, requisitos técnicos e bilhética", os municípios podem optar por assumir essa responsabilidade ou contratualizar com a AML e ceder estas competências, acrescentou.

"Hoje, nem todos se pronunciaram, mas muitos, aqueles todos que se pronunciaram, concordaram que é necessário estudar cada uma destas matérias e estão disponíveis para em princípio contratualizarem" essas competências, adiantou Basílio Horta, salientando que Lisboa e Barreiro possuem situações distintas, devido a sistemas de transportes próprios.

Apesar de defender "a vantagem da contratualização", porque "a união faz a força", o presidente do conselho metropolitano apontou a necessidade de se assegurar o financiamento dos sistemas.

"Admito que cada município vai propor novas carreiras, aquelas que gostariam de ter e não têm, porque muitas vezes não são rentáveis para as empresas e isso significa indemnizações compensatórias. Sabendo nós que não podemos aumentar a despesa, como é que conciliamos esta vontade com os meios disponíveis", questionou.

Por outro lado, a integração das competências da Autoridade Metropolitana de Transportes de Lisboa na AML também depende de dotação financeira para o apoio técnico.

"O senhor ministro [João Matos Fernandes] garantiu que há um milhão e 100 mil euros que está neste Orçamento e que passa para a Área Metropolitana para fazer face desde já aos serviços", revelou Basílio Horta.

O presidente do conselho metropolitano defendeu que a AML sempre quis uma descentralização na área da mobilidade, mas "agora tem de responder com eficácia e utilidade para as pessoas", conciliando os diferentes tipos de transporte: rodoviário, ferroviário e fluvial.

A comissão executiva da AML vai preparar uma proposta de contratualização para apresentar aos municípios, que deverá ser aprovada em fevereiro, após consulta aos órgãos municipais, para concluir "uma primeira definição até final de junho", informou Basílio Horta.

O conselho metropolitano é o órgão deliberativo da AML e é constituída pelos municípios de Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira.

Lusa

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Costa alerta para "condições particularmente adversas"
    1:47

    País

    O primeiro-ministro alertou para a possibilidade de novos incêndios de grandes dimensões, muito por causa da situação de seca que grande parte do território atravessa. António Costa pediu aos portugueses um "particular cuidado com todos os comportamentos de risco".

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.