sicnot

Perfil

Economia

Presidente da Renault pede novas regras para emissões poluentes de carros

O presidente da Renault, o brasileiro Carlos Ghosn, insistiu esta sexta-feira que o grupo francês cumpre as regras das emissões poluentes nos seus carros e acrescentou estar a favor da alteração das medidas de homologação para evitar confusões nos consumidores.

Carlos Ghosn explicou ser "evidente que quando se utiliza um carro em condições diferentes (...), têm-se emissões diferentes, e normalmente superiores", acrescentando que "todos os fabricantes têm emissões superiores" e frisou que "não há regras" para dizer se é ou não aceitável que se superem em cinco, sete, dez, quinze ou vinte vezes. (Arquivo)

Carlos Ghosn explicou ser "evidente que quando se utiliza um carro em condições diferentes (...), têm-se emissões diferentes, e normalmente superiores", acrescentando que "todos os fabricantes têm emissões superiores" e frisou que "não há regras" para dizer se é ou não aceitável que se superem em cinco, sete, dez, quinze ou vinte vezes. (Arquivo)

© Thomas Peter / Reuters

"Não há fraude", sublinhou Carlos Ghosn numa entrevista ao canal de televisão RTL, que fez finca pé de que "cumpre as normas" e de que "os carros Renault estão todos homologados".

O presidente da Renault respondia à polémica gerada depois de na semana passada as autoridades francesas antifraude terem feito buscas em vários locais da empresa para verificar se a marca não utilizava, como a alemã Volkswagen, mecanismos para dar informações enganosas sobre os níveis de emissões dos seus veículos.

A razão das buscas das autoridades estava relacionada com os resultados obtidos por dois modelos da Renault nas provas realizadas por uma comissão oficial criada em setembro passado após o escândalo Volkswagen, de forma a verificar as emissões em condições reais de condução.

As quantidades de óxidos de nitrogenio (NOx) para versões a gasóleo do Captur e da Espace nessas condições normais eram várias vezes superiores às obtidas na homologação em ambiente estático.

Carlos Ghosn explicou ser "evidente que quando se utiliza um carro em condições diferentes (...), têm-se emissões diferentes, e normalmente superiores", acrescentando que "todos os fabricantes têm emissões superiores" e frisou que "não há regras" para dizer se é ou não aceitável que se superem em cinco, sete, dez, quinze ou vinte vezes.

Por isso, pronunciou-se a favor de que "se estabeleçam algumas regras para que não haja confusão".

O presidente da Renault, - que ainda não se tinha pronunciado publicamente sobre o assunto e que em dos dias fez perder 12% do valor da empresa em bolsa - reconheceu a importância de restabelecer a confiança do consumidor.

"Não podemos deixar a dúvida que a marca engana", pois "a riqueza de uma empresa como a Renault é a confiança dos seus clientes", afirmou.

Lusa

  • Carros da Renault podem ser alvo de revisão técnica
    1:31

    Escândalo Renault

    Até 700 mil carros da Renault podem vir a ser alvo de revisão técnica, por suspeita de não respeitarem as normas europeias para as emissões poluentes. O diretor técnico da marca francesa nega qualquer manipulação e semelhança com o escândalo Volkswagen. Um erro detetado o verão passado levou já à decisão de rever 15 mil carros.

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.

  • "Estar na Web Summit foi dizer em empreendedorês: estamos vivos, estamos aqui!"

    Web Summit

    No seguimento da entrevista à blogger Sara Riobom, que conhecemos durante a WebSummit, trazemos a história de outro jovem português (que não trabalha sozinho) que esteve no evento, em Lisboa, a promover a sua startup. Quis o acaso e as peripécias do direto e do destino que acabasse por receber um visitante ilustre e especial no seu stand: nada mais nada menos do que o primeiro-ministro, António Costa. Recentemente estiveram no Shark Tank, onde conseguiram captar a atenção de um dos “tubarões” do programa da SIC. Mas o que queremos saber é…

    Martim Mariano