sicnot

Perfil

Economia

Google vai pagar 172 M€ de impostos em atraso no Reino Unido

O gigante norte-americano Google vai pagar 130 milhões de libras (cerca de 172 milhões de euros) de impostos em atraso no Reino Unido, após uma investigação do fisco britânico, anunciou na sexta-feira uma porta-voz da empresa.

© Peter Power / Reuters

"Pusemos em prática com o HMRC (autoridade tributária e aduaneira do Reino Unido) uma nova abordagem para o pagamento dos nossos impostos no Reino Unido e pagaremos 130 milhões de libras, cobrindo os impostos desde 2005", disse a porta-voz da empresa.

As declarações surgem na sequência de uma investigação, conduzida há seis anos, aos baixos impostos pagos por empresas multinacionais que operam no Reino Unido, mas têm a sua sede em locais diferentes.

"A forma como as empresas multinacionais são tributadas tem sido debatida há anos e consequentemente o sistema tributário internacional muda. Este acordo reflete essa mudança", acrescentou.

O ministro das Finanças britânico, George Osborne, já saudou o acordo hoje de manhã num primeiro 'tweet' (comentário na rede social Twitter): "O valor dos impostos [que será pago] pelo Google é uma vitória da ação que lançámos. (...) Estamos agora à espera que outras empresas paguem a sua parte".

"É bom ver o Google a pagar mais impostos sobre os lucros passados. Queremos que as empresas tenham sucesso no Reino Unido, mas elas devem pagar os seus impostos", acrescentou num segundo 'tweet'.

No futuro, o Google pagará impostos no Reino Unido com base na receita ali gerada através de publicidade, refletindo a dimensão do negócio da empresa no Reino Unido, disse a porta-voz do motor de busca.

A estação televisiva BBC avançou que o Google vai agora registar uma maior parte da sua atividade no Reino Unido, em detrimento da Irlanda, onde está localizada a sua sede e onde os impostos cobrados sobre os lucros são mais baixos.

Um porta-voz da HMRC já veio aplaudir o acordo.

"As investigações do HMRC foram concluídas com sucesso, o que garantiu um resultado significativo: o Google vai pagar a totalidade do imposto devido, de acordo com o estipulado na lei sobre os lucros obtidos no Reino Unido", congratulou-se o porta-voz do HMRC, acrescentando que "as empresas multinacionais devem pagar o imposto que é devido" e que não aceites montantes inferiores.

O Google faz parte de um grupo de várias multinacionais tecnológicas que estão na mira das autoridades europeias devido a práticas "otimização fiscal".

Por sua vez, a empresa norte-americana Apple aceitou também em Dezembro pagar 318 milhões de euros em Itália, após uma investigação por evasão fiscal.

Em novembro, os Chefes de Estado e de Governo do G20 tinham adotado na Cimeira de Antalya (Turquia) um plano para lutar contra a evasão fiscal por multinacionais estabelecidas no âmbito da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

O plano da OCDE, supostamente para evitar que grandes multinacionais contornem o pagamento de impostos através de estratégias de contabilidade sofisticadas, prevê por exemplo a obrigação pelas empresas de detalhe dos resultados e da carga fiscal por país.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59