sicnot

Perfil

Economia

Costa reafirma responsabilidade orçamental em entrevista ao Financial Times

O Governo fez um "esforço adicional" para reduzir o valor do défice no projeto de Orçamento do Estado para 2016, afirmou o primeiro-ministro António Costa ao Financial Times, considerando que se trata de "um sinal" de responsabilidade orçamental.

© Rafael Marchante / Reuters

Fixar o défice em 2,6% do PIB para este ano, abaixo dos 3% do ano passado e dos 2,8% propostos no programa do Governo foi "um sinal claro" de responsabilidade orçamental, disse António Costa numa entrevista hoje publicada no jornal económico, destacando que o Governo fez um esforço para reduzir o valor do défice e da dívida pública após "semanas de conversações" com os responsáveis da Comissão Europeia.

As previsões do governo apontam para uma redução de 0,2 pontos percentuais no défice estrutural para 1,1% do PIB, "a maior redução dos último anos", estimou António Costa, mas alguns analistas acreditam que as previsões de crescimento do governo de 2,1% são demasiado otimistas, aumentando a possibilidade de conflitos com a Comissão.

Na entrevista, o primeiro-ministro mostra-se convicto de que pode reduzir a austeridade dos últimos anos com o apoio dos partidos de esquerda que o ajudaram a formar Governo (PCP e Bloco de Esquerda) sem antagonizar os parceiros da zona euro, credores e investidores.

A tentativa de "virar a página da austeridade" dentro das restrições de política orçamental da zona euro está a ser observada de perto em toda a Europa e António Costa considera que as suas propostas de Orçamento para 2016, submetidas à Comissão Europeia este fim de semana são "a prova" de que reverter a austeridade é compatível com a disciplina orçamental.

"A verdade é que, ao mesmo tempo, que cria bases para o aumento do emprego, maior crescimento económico e mais proteção social, este orçamento vai mais longe na redução do défice do que estava previsto no nosso programa de governo. Isto demonstra que estamos comprometidos com a responsabilidade orçamental e o cumprimento das regras da zona euro", salientou.

Enfrentando batalhas em várias frentes, Costa reconheceu que tentar conciliar as exigências dos seus aliados de esquerda, parceiros da zona euro e mercados financeiros foi "um exercício muito exigente", mas mostrou-se convencido de que pode "mudar a direção da economia sem entrar em conflito com a União Europeia".

O primeiro-ministro salientou que "é completamente errado pensar que um país europeu como Portugal pode tornar-se mais competitivo baseando-se em fatores de competitividade do terceiro mundo" e que "a ideia de que a produtividade aumenta de acordo com o número de horas trabalhadas dá às pessoas o incentivo errado" porque o que é necessário fazer é aumentar o valor dos bens e serviços que se produzem.

Em contraste com a recessão alimentada pela austeridade, altos níveis de desemprego e expansão da dívida pública do anterior governo, Costa disse que quer levar o país "em frente e não para trás".

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.