sicnot

Perfil

Economia

Sindicatos exigem aumento de salários, pensões e desconto na ADSE

STE, Frente Comum e FESAP esperam que o Orçamento de Estado inclua aumentos, descongelamento de carreiras.

MANUEL DE ALMEIDA

Frente Comum quer aumento de salários e redução de 2% do desconto para ADSE

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública quer que o próximo Orçamento do Estado (OE) inclua aumentos de salários e a redução de 2% do desconto para a ADSE.

"São as 35 horas de trabalho semanal, os aumentos de salários e o descongelamento das posições remuneratórias e a redução de 2% do desconto para a ADSE [subsistema de saúde dos funcionários e pensionistas do Estado]", disse Ana Avoila, coordenadora da estrutura afeta à CGTP.

A Frente Comum quer também "a revogação da lei da requalificação/despedimentos" e que o Governo inclua verbas para assegurar os serviços públicos, designadamente na saúde, na educação e na segurança social.

FESAP quer descongelamento das progressões nas carreiras

A FESAP -- Federação dos Sindicatos da Administração Pública quer que o Orçamento do Estado para 2016 (OE2016) descongele as progressões nas carreiras e valorize a segunda posição da tabela remuneratória única.

De acordo com a federação, esta será uma das prioridades a ser incluída no próximo Orçamento, cuja proposta deverá ser entregue na Assembleia da República a 05 de fevereiro.

A proposta da FESAP para valorização da segunda posição remuneratória da tabela remuneratória única é a da atribuição dos 25 euros da diferença para o salário mínimo, "aumentando assim, de forma razoável, a diferença da segunda para a primeira posições e que com o aumento do salário mínimo nacional [para os 530 euros] é agora de apenas 2,08 euros".

A estrutura quer ver ainda concluído o processo legislativo de reposição do horário de trabalho de 35 horas semanais, aplicando-o a todos os trabalhadores que desempenhem funções em organismos públicos, qualquer que seja o seu vínculo à Administração Pública.

STE defende atualização das pensões em pelo menos 1,3%

O Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) considera que as prioridades do Governo para o Orçamento do Estado (OE) devem incluir a atualização das pensões em pelo menos 1,3% e a revisão do IRS.

Em declarações à agência Lusa, a presidente do STE, Helena Rodrigues, considerou ainda que o Governo "se deve abster de colocar no OE 2016" as normas que proíbem as progressões na carreira, o pagamento do subsídio de Natal em duodécimos e a redução do valor a pagar pelo trabalho suplementar que os trabalhadores são obrigados a realizar.

O STE apresentou recentemente ao Governo, no seu caderno reivindicativo, um conjunto de propostas a ter em conta na elaboração do próximo OE, nomeadamente relativas ao aumento do rendimento das famílias.

A proposta do Orçamento do Estado para 2016 deverá ser entregue na Assembleia da República a 05 de fevereiro, completando a informação até agora conhecida.

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51