sicnot

Perfil

Economia

Portal de vendas Groupon deixa Portugal, mas vouchers mantêm validade acordada

A empresa de vendas com descontos através da Internet Groupon anunciou hoje que vai deixar de operar em Portugal, mas salienta que os 'vouchers' adquiridos continuarão a ter validade até à data acordada com o parceiro.

© You Sung-ho / Reuters

"Após uma cuidada análise do mercado português, decidimos encerrar definitivamente a atividade em Portugal a partir de 25 de janeiro de 2016. Lamentamos assim informar que não iremos oferecer-lhe novas propostas no futuro", pode ler-se hoje no 'site' da Groupon.

Segundo a informação disponibilizada na página oficial, e enviada aos seus clientes, a Groupon refere que cessou as ofertas no 'site' a partir de 25 de janeiro, mas que, caso um cliente tenha adquirido um 'voucher', "o mesmo continuará válido até à data acordada", salientando que os parceiros vão continuar a aceitar o documento de compra.

A plataforma de vendas com descontos refere que a decisão de deixar de operar em Portugal "não foi tomada levianamente", revelando que procedeu a "uma avaliação da presença a nível global, analisando os mercados onde o potencial de mercado e o investimento necessário se completam".

"Uma vez que não existem condições para uma atividade lucrativa num futuro próximo, foi tomada a difícil decisão de cessar a atividade em Portugal", adianta a empresa.

De acordo com a Groupon, caso o consumidor que adquiriu o 'voucher' naquela plataforma não o quiser utilizar, poderá receber um reembolso total do seu valor, contactando a empresa através do email do apoioaocliente@groupon.com ou ligando para o número 808 30 2000, antes de 15 de março de 2016.

Em setembro de 2015, a Groupon anunciou a intenção de eliminar 1.100 empregos, no quadro de uma restruturação que a levará a deixar vários mercados internacionais.

"Nos próximos meses, vamos eliminar 1.100 empregos", referiu, na altura, no blogue do grupo, o diretor de operações, Rich Williams, explicando que os cortes serão sobretudo no setor internacional.

A par da redução de pessoal, a Groupon, já saiu de alguns países europeus, nomeadamente da Grécia, da Turquia, da Suécia, da Dinamarca, da Noruega, da Finlândia, tendo cessado a sua atividade também em Marrocos, Panamá, Porto Rico, Filipinas, Taiwan, Tailândia e Uruguai.

Lusa

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura ao Governo

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC

  • A cadela que desistiu da CIA para ir "perseguir esquilos e coelhos"

    Mundo

    Nem todos os cães têm aptidão para combater o crime. Este é o caso de Lulu, uma cadela que estava a treinar para ser agente da CIA, mas que acabou por entrar na reforma ainda durante os treinos. Através do Twitter, a agência norte-americana anunciou na semana passada que Lulu já não iria treinar mais e que tinha sido adotada pelo agente que a treinava.

    SIC

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC