sicnot

Perfil

Economia

Reestruturação da dívida "tem de avançar em Orçamento logo que possível"

O ex-líder do BE Francisco Louçã defendeu hoje que a reestruturação da dívida deve fazer parte de um Orçamento do Estado logo que possível, pois só assim a economia portuguesa e a banca poderão fazer face ao problema estrutural de dependência externa.

Lusa

Lusa

HUGO DELGADO

"A reestruturação da dívida impõe-se não por mania polémica de alguns economistas a quem faltam outras soluções mas porque não há nenhuma outra solução. Essa decisão terá de ser tomada em algum Orçamento [do Estado], tão cedo quanto possível", afirmou o também economista e professor universitário numa conferência em Lisboa sobre o sistema financeiro português.

Para o antigo dirigente do Bloco de Esquerda, tal como acontece na economia portuguesa, um dos problemas estruturais do sistema financeiro português é a "sustentabilidade financeira, o seu modo de financiamento", dependente em grande parte de recursos exteriores.

"Não é aceitável, concebível, que um sistema financeiro para as suas necessidades de liquidez dependa do exterior em permanência", afirmou Francisco Louçã, considerando assim que uma reestruturação da dívida também teria impacto positivo na banca, até porque estaria menos vulnerável face aos choques externos.

Já no verão de 2014, antes do resgate do BES e bem antes da resolução do Banif, Louçã apresentou em conjunto com outros economistas uma proposta de reestruturação da dívida pública neste caso dos bancos portugueses, através de um processo de resolução bancária sistémica em que eram chamados os credores dos bancos para uma negociação.

O objetivo era reduzir a dívida líquida externa de Portugal.

De acordo com o Banco de Portugal, no final de 2014, a dívida externa líquida representava 104,2% no Produto Interno Bruto (PIB). Os valores de 2015 ainda não estão disponíveis.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.