sicnot

Perfil

Economia

Reestruturação da dívida "tem de avançar em Orçamento logo que possível"

O ex-líder do BE Francisco Louçã defendeu hoje que a reestruturação da dívida deve fazer parte de um Orçamento do Estado logo que possível, pois só assim a economia portuguesa e a banca poderão fazer face ao problema estrutural de dependência externa.

Lusa

Lusa

HUGO DELGADO

"A reestruturação da dívida impõe-se não por mania polémica de alguns economistas a quem faltam outras soluções mas porque não há nenhuma outra solução. Essa decisão terá de ser tomada em algum Orçamento [do Estado], tão cedo quanto possível", afirmou o também economista e professor universitário numa conferência em Lisboa sobre o sistema financeiro português.

Para o antigo dirigente do Bloco de Esquerda, tal como acontece na economia portuguesa, um dos problemas estruturais do sistema financeiro português é a "sustentabilidade financeira, o seu modo de financiamento", dependente em grande parte de recursos exteriores.

"Não é aceitável, concebível, que um sistema financeiro para as suas necessidades de liquidez dependa do exterior em permanência", afirmou Francisco Louçã, considerando assim que uma reestruturação da dívida também teria impacto positivo na banca, até porque estaria menos vulnerável face aos choques externos.

Já no verão de 2014, antes do resgate do BES e bem antes da resolução do Banif, Louçã apresentou em conjunto com outros economistas uma proposta de reestruturação da dívida pública neste caso dos bancos portugueses, através de um processo de resolução bancária sistémica em que eram chamados os credores dos bancos para uma negociação.

O objetivo era reduzir a dívida líquida externa de Portugal.

De acordo com o Banco de Portugal, no final de 2014, a dívida externa líquida representava 104,2% no Produto Interno Bruto (PIB). Os valores de 2015 ainda não estão disponíveis.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.