sicnot

Perfil

Economia

Turistas estrangeiros representaram 66% das dormidas em Portugal em 2015

Portugal registou 55,6 milhões de dormidas em estabelecimentos de alojamento turístico em 2015, um aumento de 0,5% face ao ano anterior, que se deve aos turistas não-residentes, que representaram 66% das dormidas turísticas, revela o Eurostat.

reuters

De acordo com dados hoje divulgados pelo gabinete oficial de estatísticas da União Europeia, a UE deverá ter registado em 2015 um novo máximo de cerca de 2,8 mil milhões de noites passadas em estabelecimentos de alojamento turístico, um aumento de 3,2% face a 2014, com a Espanha a liderar a lista em termos absolutos (421 milhões de dormidas), seguida de França (413 milhões), Itália (385) e Alemanha (379).

Com 36,5 milhões de dormidas de turistas não-residentes, Portugal é o sexto país com uma maior proporção de turistas estrangeiros, significativamente acima da média comunitária (de 46%) e apenas superado pelas ilhas do Mediterrâneo Malta (96%) e Chipre (94%), e por Croácia (92%), Grécia (79%) e Áustria (71%).

Na comparação entre 2014 e 2015, Portugal registou uma subida de 1,7% das noites passadas em estabelecimentos turísticos por não-residentes, mas um decréscimo de 1,8% no que se refere turistas nacionais (19,1 milhões de dormidas).

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.