sicnot

Perfil

Economia

BPI passa de prejuízos a lucros de 236,4 milhões de euros em 2015

O Banco BPI teve um lucro líquido consolidado de 236,4 milhões de euros em 2015, o que compara com os prejuízos de 163,6 milhões de euros registados em 2014.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

O presidente executivo do BPI, Fernando Ulrich, está hoje a fazer a apresentação dos resultados do banco em Lisboa.

O lucro líquido, diz a informação disponibilizada pela instituição, é resultado de 93,1 milhões de euros conseguidos na atividade doméstica e 143,3 milhões de euros das operações internacionais.

No que toca à atividade internacional, o Banco de Fomento Angola (BFA) contribuiu com 135,7 milhões de euros e o BCI (Moçambique) com 9,4 milhões de euros para os resultados do grupo.

A nível consolidado, é de realçar as subidas significativas da margem financeira (29% para 663,4 milhões de euros) e do produto bancário (37,8% para 1.181,9 milhões de euros).

Já o resultado operacional cresceu 175% para 511,3 milhões de euros.

Os custos de estrutura recuaram ligeiros 0,1% para 670,6 milhões de euros.

O rácio de transformação de depósitos em crédito situou-se em dezembro nos 85%.

Já o rácio 'common equity tier 1' (CET1) ascendeu a 11,1% se for considerado o 'phasing in' (fase de transição) para as novas regras europeias e a 10% caso seja levada em conta a sua aplicação integral.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.