sicnot

Perfil

Economia

BPI passa de prejuízos a lucros de 236,4 milhões de euros em 2015

O Banco BPI teve um lucro líquido consolidado de 236,4 milhões de euros em 2015, o que compara com os prejuízos de 163,6 milhões de euros registados em 2014.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

O presidente executivo do BPI, Fernando Ulrich, está hoje a fazer a apresentação dos resultados do banco em Lisboa.

O lucro líquido, diz a informação disponibilizada pela instituição, é resultado de 93,1 milhões de euros conseguidos na atividade doméstica e 143,3 milhões de euros das operações internacionais.

No que toca à atividade internacional, o Banco de Fomento Angola (BFA) contribuiu com 135,7 milhões de euros e o BCI (Moçambique) com 9,4 milhões de euros para os resultados do grupo.

A nível consolidado, é de realçar as subidas significativas da margem financeira (29% para 663,4 milhões de euros) e do produto bancário (37,8% para 1.181,9 milhões de euros).

Já o resultado operacional cresceu 175% para 511,3 milhões de euros.

Os custos de estrutura recuaram ligeiros 0,1% para 670,6 milhões de euros.

O rácio de transformação de depósitos em crédito situou-se em dezembro nos 85%.

Já o rácio 'common equity tier 1' (CET1) ascendeu a 11,1% se for considerado o 'phasing in' (fase de transição) para as novas regras europeias e a 10% caso seja levada em conta a sua aplicação integral.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.