sicnot

Perfil

Economia

CMVM diz que não há motivo para suspender negociação de ações do BCP

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) considerou esta terça-feira que "não há justificação para suspender" a negociação das ações do Milllenium BCP, disse à agência Lusa fonte oficial do organismo.

© Hugo Correia / Reuters

"Com a informação disponibilizada pelo BCP, de que não havia penhora [de depósitos bancários], não há justificação para suspender" a negociação das ações do banco, referiu a mesma fonte.

A Associação de Investidores e Analistas Técnicos do Mercado de Capitais (ATM) pediu hoje à CMVM que ordenasse a suspensão da negociação das ações do BCP, devido à existência de um processo de execução com penhora de depósitos bancários.

Fonte oficial do BCP disse à Lusa que "não tem conhecimento de qualquer obrigação cujo pagamento esteja em falta nem de qualquer processo de execução para pagamento de dívida com penhora de saldos bancários".

O pedido da ATM endereçado à CMVM - feito após o fecho da bolsa de Lisboa - surge depois da associação ter tomado conhecimento de que o BCP "foi hoje objeto de um processo de execução para pagamento com penhora de saldos bancários".

Em causa estaria um "incumprimento de uma obrigação de pagamento em resultado de uma sentença judicial transitada em julgado no dia 19", lê-se no documento enviado pela ATM ao supervisor, a que a Lusa teve acesso.

Para a Associação de Investidores e Analistas Técnicos do Mercado de Capitais "é importante que o mercado seja esclarecido se tal incumprimento deriva de algum erro, esquecimento, falta de fundos do banco para satisfazer o referido pagamento ou outras circunstâncias com impacto material e relevante nas demonstrações financeiras do Banco Comercial Português".

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.