sicnot

Perfil

Economia

China quer construir centrais nucleares flutuantes

A China planeia construir duas centrais nucleares flutuantes como parte dos seus esforços para duplicar a sua capacidade atómica até 2020, revelou hoje a Autoridade de Energia Atómica da China.

O objetivo é facilitar a exploração de recursos marinhos, explicou Xu Dazhe, presidente do organismo."A China está empenhada em tornar-se uma potência marítima e por isso iremos definitivamente fazer uso dos recursos oceânicos", disse em conferência de imprensa.O uso de energia nuclear no mar não é desconhecido -- porta-aviões e submarinos com mísseis são frequentemente abastecidos com energia nuclear -- mas fazê-lo com objetivos civis parece não ter precedentes, apesar de notícias de um projeto russo em desenvolvimento.Pequim incluiu a construção das duas centrais nucleares marinhas, pela China General Nuclear Power Corporation (CGN) e pela China National Nuclear Corporation (CNNC), no seu 13.º plano quinquenal para 2016-2020, anunciaram as duas empresas no início do mês.A central da CNNC deve entrar em funcionamento em 2019 e a da CGN no ano seguinte, de acordo com comunicados das empresas.Estas centrais podem disponibilizar energia a plataformas offshore de exploração de gás e petróleo, e também a áreas remotas e ilhas em desenvolvimento.

O objetivo é facilitar a exploração de recursos marinhos, explicou Xu Dazhe, presidente do organismo."A China está empenhada em tornar-se uma potência marítima e por isso iremos definitivamente fazer uso dos recursos oceânicos", disse em conferência de imprensa.O uso de energia nuclear no mar não é desconhecido -- porta-aviões e submarinos com mísseis são frequentemente abastecidos com energia nuclear -- mas fazê-lo com objetivos civis parece não ter precedentes, apesar de notícias de um projeto russo em desenvolvimento.Pequim incluiu a construção das duas centrais nucleares marinhas, pela China General Nuclear Power Corporation (CGN) e pela China National Nuclear Corporation (CNNC), no seu 13.º plano quinquenal para 2016-2020, anunciaram as duas empresas no início do mês.A central da CNNC deve entrar em funcionamento em 2019 e a da CGN no ano seguinte, de acordo com comunicados das empresas.Estas centrais podem disponibilizar energia a plataformas offshore de exploração de gás e petróleo, e também a áreas remotas e ilhas em desenvolvimento.

© Kim Kyung Hoon / Reuters

O objetivo é facilitar a exploração de recursos marinhos, explicou Xu Dazhe, presidente do organismo.

"A China está empenhada em tornar-se uma potência marítima e por isso iremos definitivamente fazer uso dos recursos oceânicos", disse em conferência de imprensa.

O uso de energia nuclear no mar não é desconhecido -- porta-aviões e submarinos com mísseis são frequentemente abastecidos com energia nuclear -- mas fazê-lo com objetivos civis parece não ter precedentes, apesar de notícias de um projeto russo em desenvolvimento.

Pequim incluiu a construção das duas centrais nucleares marinhas, pela China General Nuclear Power Corporation (CGN) e pela China National Nuclear Corporation (CNNC), no seu 13.º plano quinquenal para 2016-2020, anunciaram as duas empresas no início do mês.

A central da CNNC deve entrar em funcionamento em 2019 e a da CGN no ano seguinte, de acordo com comunicados das empresas.

Estas centrais podem disponibilizar energia a plataformas offshore de exploração de gás e petróleo, e também a áreas remotas e ilhas em desenvolvimento.

  • "Se me pergunta se estou de consciência tranquila, estou"
    2:13

    País

    O ministro Vieira da Silva assegura que aguarda com tranquilidade que a investigação em curso esclareça as alegadas irregularidades na associação Raríssimas. Alguns mecenas estão já a suspender o apoio, na sequência do escândalo que já levou a duas demissões. 

  • Novo regime dos recibos verdes "acaba com as injustiças dos escalões"
    1:10
  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.