sicnot

Perfil

Economia

China quer construir centrais nucleares flutuantes

A China planeia construir duas centrais nucleares flutuantes como parte dos seus esforços para duplicar a sua capacidade atómica até 2020, revelou hoje a Autoridade de Energia Atómica da China.

O objetivo é facilitar a exploração de recursos marinhos, explicou Xu Dazhe, presidente do organismo."A China está empenhada em tornar-se uma potência marítima e por isso iremos definitivamente fazer uso dos recursos oceânicos", disse em conferência de imprensa.O uso de energia nuclear no mar não é desconhecido -- porta-aviões e submarinos com mísseis são frequentemente abastecidos com energia nuclear -- mas fazê-lo com objetivos civis parece não ter precedentes, apesar de notícias de um projeto russo em desenvolvimento.Pequim incluiu a construção das duas centrais nucleares marinhas, pela China General Nuclear Power Corporation (CGN) e pela China National Nuclear Corporation (CNNC), no seu 13.º plano quinquenal para 2016-2020, anunciaram as duas empresas no início do mês.A central da CNNC deve entrar em funcionamento em 2019 e a da CGN no ano seguinte, de acordo com comunicados das empresas.Estas centrais podem disponibilizar energia a plataformas offshore de exploração de gás e petróleo, e também a áreas remotas e ilhas em desenvolvimento.

O objetivo é facilitar a exploração de recursos marinhos, explicou Xu Dazhe, presidente do organismo."A China está empenhada em tornar-se uma potência marítima e por isso iremos definitivamente fazer uso dos recursos oceânicos", disse em conferência de imprensa.O uso de energia nuclear no mar não é desconhecido -- porta-aviões e submarinos com mísseis são frequentemente abastecidos com energia nuclear -- mas fazê-lo com objetivos civis parece não ter precedentes, apesar de notícias de um projeto russo em desenvolvimento.Pequim incluiu a construção das duas centrais nucleares marinhas, pela China General Nuclear Power Corporation (CGN) e pela China National Nuclear Corporation (CNNC), no seu 13.º plano quinquenal para 2016-2020, anunciaram as duas empresas no início do mês.A central da CNNC deve entrar em funcionamento em 2019 e a da CGN no ano seguinte, de acordo com comunicados das empresas.Estas centrais podem disponibilizar energia a plataformas offshore de exploração de gás e petróleo, e também a áreas remotas e ilhas em desenvolvimento.

© Kim Kyung Hoon / Reuters

O objetivo é facilitar a exploração de recursos marinhos, explicou Xu Dazhe, presidente do organismo.

"A China está empenhada em tornar-se uma potência marítima e por isso iremos definitivamente fazer uso dos recursos oceânicos", disse em conferência de imprensa.

O uso de energia nuclear no mar não é desconhecido -- porta-aviões e submarinos com mísseis são frequentemente abastecidos com energia nuclear -- mas fazê-lo com objetivos civis parece não ter precedentes, apesar de notícias de um projeto russo em desenvolvimento.

Pequim incluiu a construção das duas centrais nucleares marinhas, pela China General Nuclear Power Corporation (CGN) e pela China National Nuclear Corporation (CNNC), no seu 13.º plano quinquenal para 2016-2020, anunciaram as duas empresas no início do mês.

A central da CNNC deve entrar em funcionamento em 2019 e a da CGN no ano seguinte, de acordo com comunicados das empresas.

Estas centrais podem disponibilizar energia a plataformas offshore de exploração de gás e petróleo, e também a áreas remotas e ilhas em desenvolvimento.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.