sicnot

Perfil

Economia

China quer construir centrais nucleares flutuantes

A China planeia construir duas centrais nucleares flutuantes como parte dos seus esforços para duplicar a sua capacidade atómica até 2020, revelou hoje a Autoridade de Energia Atómica da China.

O objetivo é facilitar a exploração de recursos marinhos, explicou Xu Dazhe, presidente do organismo."A China está empenhada em tornar-se uma potência marítima e por isso iremos definitivamente fazer uso dos recursos oceânicos", disse em conferência de imprensa.O uso de energia nuclear no mar não é desconhecido -- porta-aviões e submarinos com mísseis são frequentemente abastecidos com energia nuclear -- mas fazê-lo com objetivos civis parece não ter precedentes, apesar de notícias de um projeto russo em desenvolvimento.Pequim incluiu a construção das duas centrais nucleares marinhas, pela China General Nuclear Power Corporation (CGN) e pela China National Nuclear Corporation (CNNC), no seu 13.º plano quinquenal para 2016-2020, anunciaram as duas empresas no início do mês.A central da CNNC deve entrar em funcionamento em 2019 e a da CGN no ano seguinte, de acordo com comunicados das empresas.Estas centrais podem disponibilizar energia a plataformas offshore de exploração de gás e petróleo, e também a áreas remotas e ilhas em desenvolvimento.

O objetivo é facilitar a exploração de recursos marinhos, explicou Xu Dazhe, presidente do organismo."A China está empenhada em tornar-se uma potência marítima e por isso iremos definitivamente fazer uso dos recursos oceânicos", disse em conferência de imprensa.O uso de energia nuclear no mar não é desconhecido -- porta-aviões e submarinos com mísseis são frequentemente abastecidos com energia nuclear -- mas fazê-lo com objetivos civis parece não ter precedentes, apesar de notícias de um projeto russo em desenvolvimento.Pequim incluiu a construção das duas centrais nucleares marinhas, pela China General Nuclear Power Corporation (CGN) e pela China National Nuclear Corporation (CNNC), no seu 13.º plano quinquenal para 2016-2020, anunciaram as duas empresas no início do mês.A central da CNNC deve entrar em funcionamento em 2019 e a da CGN no ano seguinte, de acordo com comunicados das empresas.Estas centrais podem disponibilizar energia a plataformas offshore de exploração de gás e petróleo, e também a áreas remotas e ilhas em desenvolvimento.

© Kim Kyung Hoon / Reuters

O objetivo é facilitar a exploração de recursos marinhos, explicou Xu Dazhe, presidente do organismo.

"A China está empenhada em tornar-se uma potência marítima e por isso iremos definitivamente fazer uso dos recursos oceânicos", disse em conferência de imprensa.

O uso de energia nuclear no mar não é desconhecido -- porta-aviões e submarinos com mísseis são frequentemente abastecidos com energia nuclear -- mas fazê-lo com objetivos civis parece não ter precedentes, apesar de notícias de um projeto russo em desenvolvimento.

Pequim incluiu a construção das duas centrais nucleares marinhas, pela China General Nuclear Power Corporation (CGN) e pela China National Nuclear Corporation (CNNC), no seu 13.º plano quinquenal para 2016-2020, anunciaram as duas empresas no início do mês.

A central da CNNC deve entrar em funcionamento em 2019 e a da CGN no ano seguinte, de acordo com comunicados das empresas.

Estas centrais podem disponibilizar energia a plataformas offshore de exploração de gás e petróleo, e também a áreas remotas e ilhas em desenvolvimento.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.