sicnot

Perfil

Economia

FMI e Banco Mundial preparam resgates a países afetados pelo petróleo barato

O Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial preparam um empréstimo de 4 mil milhões de dólares que pode ser o primeiro de uma série de resgates financeiros a países afetados pelo petróleo barato.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Kim Kyung Hoon / Reuters

De acordo com o Financial Times, as autoridades destas duas instituições financeiras estão a caminho de Baku para debater a possibilidade de um resgate financeiro de 4 mil milhões de dólares, abrindo caminho a mais ajudas a países afetados pela descida dos preços do petróleo.

A visita surge no seguimento de uma crise cambial desencadeada pelo colapso dos preços do petróleo, que caíram cerca de 75% desde o seu pico no verão de 2014, mas não é ainda certo que o Azerbaijão escolha aceitar a disponibilidade destas duas entidades para emprestarem a verba.

Segundo o jornal britânico, o Fundo e o Banco têm monitorizado de perto os desenvolvimentos noutros países produtores de petróleo que viram as suas finanças públicas desequilibrarem-se e entrarem em crise cambial na sequência da descida do preço das matérias-primas e da valorização do dólar, como o Brasil, o Equador e a Venezuela.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.