sicnot

Perfil

Economia

Representantes dos trabalhadores da CP Carga concentram-se contra privatização

Uma comitiva de representantes dos trabalhadores da CP Carga concentra-se hoje em frente à sede da empresa, na Avenida da República, seguindo depois para o Tribunal de Contas e para a secretaria de Estado das Infraestruturas, para contestar a privatização.

O acidente ocorreu numa passagem de nível com guarda, protegida por cancelas e sinalização luminosa.

O acidente ocorreu numa passagem de nível com guarda, protegida por cancelas e sinalização luminosa.

Em declarações a Lusa, o coordenador da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), José Manuel Oliveira, explicou que se trata de "um ato simbólico para manter o assunto da privatização em aberto".

A concentração começa às 10:30 em frente à sede da CP Carga, na Avenida da República, em Lisboa, seguindo depois os representantes dos trabalhadores para o Tribunal de Contas e para a secretária de Estado das Infraestruturas.

O sindicato tinha convocado uma greve para que os trabalhadores da CP Carga pudessem participar na ação de protesto contra a privatização transportadora ferroviária de mercadorias, mas entretanto foi concretizada a venda de 95% da empresa ao grupo suíço MSC, o que levou o Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário a cancelar a greve.

A estrutura sindical justificou então que "o conflito laboral não é com o atual patrão".

O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, explicou na semana passada que o Governo não equacionou a reversão do processo de privatização da CP Carga, realçando que a empresa tem acumulado défices operacionais.

"A situação [da CP Carga] era de manutenção de défices operacionais e seria uma realidade se não fosse feita qualquer evolução futura", afirmou o governante na comissão de Economia, no dia em que acabou por ser concluída a venda de 95% do capital da CP Carga à operadora ferroviária suíça MSC, negócio que tinha sido conduzido pelo anterior Governo.

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho