sicnot

Perfil

Economia

Investimento através dos vistos gold caiu para metade em 2015

O investimento captado através dos vistos gold caiu para metade em 2015, face ao ano anterior, para cerca de 466 milhões de euros, de acordo com dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

(Arquivo)

No ano passado, o investimento resultante das Autorizações de Residência para a atividade de Investimento (ARI) ascendeu a 466.259.797,63 euros, o que representa uma quebra de 49% face aos 921.314.178,34 euros obtidos em 2014.

Do total dos cerca de 466 milhões de euros obtidos com os vistos dourados, a maioria do investimento (418.079.180,09 euros) resultou da aquisição de imóveis, que continua a ser critério que mais atribui ARI.

Em 2014, o investimento arrecadado com a compra de imóveis foi praticamente o dobro do ano passado, ao totalizar 840.425.983,31 euros, segundo os mesmos dados.

Relativamente aos vistos 'gold' atribuídos mediante a transferência de capital, no ano passado o investimento foi de 48.180.617,54 euros, valor inferior aos 80.888.195,03 euros em 2014.

Para o abrandamento do investimento em ARI contribuiu a investigação policial "Operação Labirinto", que foi conhecida em novembro de 2014, e a consequente alteração das regras de atribuição de vistos dourados.

No ano passado, foram concedidos 766 vistos 'gold', menos de metade dos 1.526 atribuídos em 2014, considerado o melhor ano de sempre deste programa de captação de investimento estrangeiro.

Daqueles 766 vistos dourados, 719 resultaram a compra de imóveis, 46 pela transferência de capitais e um pela criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

Em 2014, foram atribuídos 1.452 vistos 'gold' pela aquisição de imóveis, 71 por transferência de capitais e três pela criação de emprego.

Desde 08 de outubro de 2012, altura em que a medida foi aplicada, até 2015, foram atribuídas 2.788 ARI, totalizando um investimento de 1.693 milhões de euros.

Deste montante acumulado, 1.528 milhões de euros resultam da compra de bens imóveis e 165,4 milhões de euros da transferência de capital.

Desde que o programa está em vigor, foram atribuídos 2.635 vistos 'gold' por via da compra de imóveis, 149 por transferência de capital e quatro pela criação de, no mínimo, 10 empregos.

A 23 de fevereiro de 2015, o antigo vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, apresentou as novas alterações das regras de atribuição dos vistos 'gold', que alargavam o investimento de estrangeiros a áreas como a reabilitação urbana ou ciência, entre outras, as quais foram publicadas em Diário da República (DR) a 30 de junho.

No entanto, o SEF suspendeu o processo de atribuição de vistos 'gold' a 01 de julho por falta de enquadramento legal entre o anterior e o novo regime.

A 16 de julho do ano passado, o governo de Passos Coelho aprovou o decreto regulamentar que executa as alterações à lei.

As novas medidas entraram em vigor a 03 de setembro, embora até à data não seja conhecida a atribuição de vistos dourados mediante as novas regras.

As alterações à atribuição dos vistos 'gold' surgiram depois da investigação policial "Operação Labirinto", em novembro de 2014, que levou à prisão preventiva de cinco de 11 arguidos por alegada corrupção, num processo que culminou na demissão do cargo do então ministro da Administração Interna, Miguel Macedo.

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21