sicnot

Perfil

Economia

Desemprego na zona euro baixa para 10,4% em dezembro, Portugal com 3ª maior queda

A taxa de desemprego na zona euro baixou para 10,4% em dezembro, quer face ao mês anterior (10,5%) quer ao mesmo período de 2014 (11,4%), com Portugal a registar a terceira maior quebra homóloga, divulga o Eurostat.

reuters

Segundo o gabinete de estatísticas da União Europeia (UE), a taxa de desemprego da zona euro em dezembro de 2015 foi a mais baixa desde setembro de 2011.

Já no conjunto dos 28 Estados-membros da UE, a taxa de desemprego estabilizou em dezembro nos 9,0%, face a novembro de 2015, valor que compara com os 9,9% de dezembro de 2014.

Na UE, os 9,0% foram a menor taxa de desemprego desde junho de 2009.

Na comparação homóloga, o desemprego desceu em 23 Estados-membros, estabilizou na Estónia e aumentou noutros quatro.

Portugal registou a terceira maior quebra homóloga no indicador (de 13,6% para 11,8%), depois da Espanha (de 23,6% para 20,8%) e da Eslováquia (de 12,4% para 10,6%).

A Finlândia (de 9,0% para 9,5%), a Áustria (de 5,6% para 5,8%), a Letónia (de 10,1% para 10,2%) e a Roménia (de 6,6% para 6,7%) foram os países onde o desemprego mais cresceu entre dezembro de 2014 e dezembro de 2015.

As taxas de desemprego mais baixas registaram-se na república Checa e Alemanha (4,5% cada), enquanto as mais altas foram observadas na Grécia (24,5% em outubro de 2015) e em Espanha (20,8%).

Já no que respeita ao desemprego jovem (pessoas com menos de 25 anos), a taxa de desemprego foi de 22,0% na zona euro, face aos 23,0% homólogos, e de 19,7% na UE (21,2% em dezembro de 2014).

As menores taxas de desemprego jovem foram observadas na Alemanha (7,0%), na Dinamarca (10,3%) e na República Checa (10,9%), enquanto as mais elevadas registaram-se na Grécia (48,6% em outubro de 2015), em Espanha (46,0%) e na Croácia (44,1% no quatro trimestre de 2015).

Em Portugal, a taxa de desemprego jovem foi de 31,0%, abaixo dos 33,9% de dezembro de 2014.

  • Marcar cedo e resistir (ou como Portugal venceu Marrocos)

    Mundial 2018 / Portugal

    A seleção nacional alcançou hoje a primeira vitória no Mundial 2018, frente a Marrocos, em Moscovo. Cristiano Ronaldo (outra vez) marcou logo aos quatro minutos. Depois, Portugal pouco mais fez senão aguentar as investidas dos marroquinos, que ficam desde já afastados dos oitavos de final.

  • Fernando Santos dá um puxão de orelhas à equipa
    1:57
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • Ronaldo, o motivador
    3:23
  • Os "memes" do desempenho de Cristiano Ronaldo frente a Marrocos
    1:25
  • Cristiano Ronaldo: o melhor do jogo, o melhor do Mundial, o melhor do mundo

    Mundial 2018 / Portugal

    Apesar da prestação de Rui Patrício na defesa da baliza lusa, Cristiano Ronaldo foi eleito o homem do jogo, pela segunda vez consecutiva, depois de marcar o golo que deu a vitória a Portugal frente a Marrocos. O capitão português ofereceu à equipa os três pontos essenciais para a eventual passagem aos oitavos de final. Mas Ronaldo não fica por aqui. Contas feitas, CR7 é o melhor marcador do Mundial (4 golos em 2 jogos) e já marcou 85 golos por Portugal, feito nunca antes alcançado nem por Eusébio nem por Pauleta. No auge dos 33 anos, há quem diga que Ronaldo "é como o vinho do Porto". Será que ainda vai chegar à marca dos 100? Parece que, para o CR7, nada é impossível.

  • Parecia que Rui Patrício tinha cola nas luvas
    5:40
  • Os momentos descontraídos dos jogadores que estão no Mundial
    1:54
  • Selecionador de Marrocos queixa-se da arbitragem
    1:41
  • Georgina Rodriguez assistiu ao jogo de Portugal e acenou a Ronaldo
    1:05
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49