sicnot

Perfil

Economia

Tailandeses querem levar marca Tivoli para Médio Oriente, África e Ásia

O grupo Minor, novo dono da Tivoli Hotels & Resorts, quer expandir a marca para novas áreas de operação, como o Médio Oriente, África e Ásia, anunciou hoje o presidente executivo da empresa tailandesa, Dillip Rajakarier.

"Queremos levar a marca [Tivoli] para fora de Portugal. Tem muito potencial para estar em África, Médio Oriente e Ásia. Queremos fazer da Tivoli uma marca global em cinco anos", afirmou o responsável do grupo tailandês, que na segunda-feira concluiu a aquisição do portefólio Tivoli, composto por 14 unidades hoteleiras.

O grupo tailandês Minor adquiriu os 12 hotéis em Portugal e dois no Brasil, por 294,2 milhões de euros, operação realizada no âmbito de um Processo Especial de Revitalização (PER), na sequência do colapso do Grupo Espírito Santo (GES).

Numa curta intervenção no Tivoli da Avenida da Liberdade, em Lisboa, o presidente do grupo Minor explicou que a aquisição da Tivoli, num processo conturbado que se prolongou durante quase dois anos, é a "porta de entrada na Europa e na América Latina".

Dillip Rajakarier afirmou que "alguns hotéis [Tivoli] precisam de muito trabalho", referindo que os trabalhos de remodelação já avançaram em três unidades do grupo (Oriente, em Lisboa, Vilamoura e São Paulo, no Brasil), num investimento de cerca de 50 milhões de euros.

Com a aquisição da Tivoli, o grupo tailandês passa a ser proprietário de 145 hotéis em 22 países, sendo "o último de uma série de investimentos internacionais que faz parte da sua estratégia de diversificação a longo prazo", que além de aquisições passa também por parcerias para novos hotéis e para a operação de outros já existentes.

O responsável do grupo tailandês mostrou-se disponível para fazer mais investimentos em Portugal, que considerou "um dos melhores países para investir".

Presente no evento, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, elogiou a "resiliência do grupo tailandês", que teve que esperar pelo levantamento do arresto dos bens do GES - o que aconteceu em dezembro - para poder concluir o negócio, prometendo tomar medidas para promover o investimento estrangeiro em Portugal.

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho