sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas espera quarto ano de retoma europeia mas admite mais riscos

A Comissão Europeia continua a acreditar na retoma do crescimento europeu, embora reveja ligeiramente em baixa as previsões para o desempenho da economia e adverte que os riscos aumentaram desde o outono, devido ao ambiente externo global.

Bruxelas espera quarto ano de retoma europeia mas admite mais riscos

Bruxelas espera quarto ano de retoma europeia mas admite mais riscos

© Francois Lenoir / Reuters

De acordo com as previsões económicas de inverno hoje divulgadas pelo executivo comunitário, a economia da zona euro deverá registar este ano um crescimento de 1,7%, que se consolidará em 2017 nos 1,9%, enquanto a União Europeia (UE) a 28 deverá manter em 2016 um crescimento estável de 1,9% e aumentar para 2,0% em 2017, projeções próximas, embora ligeiramente em baixa, das previsões de outono, divulgadas há dois meses (05 de novembro).

Bruxelas esperava que a economia da zona euro crescesse 1,8% este ano e 1,9% em 2017, enquanto projetava para a UE no seu todo crescimentos de 2,0 e 2,1%, respetivamente.

O executivo comunitário adverte todavia que, ao mesmo tempo que a economia europeia está agora a entrar no seu quarto ano de retoma e o crescimento continua a um ritmo moderado, impulsionado sobretudo pelo consumo, "grande parte da economia mundial está a braços com grandes desafios, pelo que os riscos para o crescimento estão assim a aumentar".

Por um lado, aponta Bruxelas, "espera-se agora que certos fatores que apoiam o crescimento sejam mais fortes e duradouros do que anteriormente projetado, como o baixo preço do petróleo, condições de financiamento favoráveis e uma baixa taxa de câmbio do euro".

Por outro lado, ressalva o executivo comunitário, "os riscos para a economia estão a tornar-se mais pronunciados e estão a surgir novos desafios: um crescimento mais lento na China e noutras economias de mercado emergentes, um comércio global fraco, bem como incertezas geopolíticas", incluindo tensões nas vizinhanças da Europa.

Apontando entre outros riscos os possíveis efeitos negativos de um aumento ainda maior das taxas de juro nos Estados Unidos, assim como uma contínua queda dos preços do petróleo que leve a que os países exportadores diminuam a importação de bens da UE, a Comissão aponta que "também há riscos dentro da UE que podem ter um impacto na confiança e no investimento".

Além de esperar que até 2017 todas as economias dos Estados-membros estejam em crescimento, ainda que com diferenças acentuadas entre os 28, a Comissão também projeta uma contínua melhoria das condições do mercado de trabalho, prevendo que a taxa de desemprego na zona euro recue de 11% em 2015 para 10,5% em 2016 e 10,2% em 2017, enquanto na UE, após uma decida de 9,5% em 2015, deverá recuar para os 9,0% este ano e 8,7% no próximo.

A Comissão Europeia espera também que os défices públicos continuem a baixar na zona euro. Depois de um recuo em 2015 que se deverá ter situado nos 2,2% do PIB, o défice público deve baixar para 1,9% este ano e 1,6% em 2017, sendo os valores para a UE um pouco acima daqueles previstos para o conjunto do espaço monetário único: 2,5%, 2,2% e 1,8%, respetivamente.

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20