sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas espera quarto ano de retoma europeia mas admite mais riscos

A Comissão Europeia continua a acreditar na retoma do crescimento europeu, embora reveja ligeiramente em baixa as previsões para o desempenho da economia e adverte que os riscos aumentaram desde o outono, devido ao ambiente externo global.

Bruxelas espera quarto ano de retoma europeia mas admite mais riscos

Bruxelas espera quarto ano de retoma europeia mas admite mais riscos

© Francois Lenoir / Reuters

De acordo com as previsões económicas de inverno hoje divulgadas pelo executivo comunitário, a economia da zona euro deverá registar este ano um crescimento de 1,7%, que se consolidará em 2017 nos 1,9%, enquanto a União Europeia (UE) a 28 deverá manter em 2016 um crescimento estável de 1,9% e aumentar para 2,0% em 2017, projeções próximas, embora ligeiramente em baixa, das previsões de outono, divulgadas há dois meses (05 de novembro).

Bruxelas esperava que a economia da zona euro crescesse 1,8% este ano e 1,9% em 2017, enquanto projetava para a UE no seu todo crescimentos de 2,0 e 2,1%, respetivamente.

O executivo comunitário adverte todavia que, ao mesmo tempo que a economia europeia está agora a entrar no seu quarto ano de retoma e o crescimento continua a um ritmo moderado, impulsionado sobretudo pelo consumo, "grande parte da economia mundial está a braços com grandes desafios, pelo que os riscos para o crescimento estão assim a aumentar".

Por um lado, aponta Bruxelas, "espera-se agora que certos fatores que apoiam o crescimento sejam mais fortes e duradouros do que anteriormente projetado, como o baixo preço do petróleo, condições de financiamento favoráveis e uma baixa taxa de câmbio do euro".

Por outro lado, ressalva o executivo comunitário, "os riscos para a economia estão a tornar-se mais pronunciados e estão a surgir novos desafios: um crescimento mais lento na China e noutras economias de mercado emergentes, um comércio global fraco, bem como incertezas geopolíticas", incluindo tensões nas vizinhanças da Europa.

Apontando entre outros riscos os possíveis efeitos negativos de um aumento ainda maior das taxas de juro nos Estados Unidos, assim como uma contínua queda dos preços do petróleo que leve a que os países exportadores diminuam a importação de bens da UE, a Comissão aponta que "também há riscos dentro da UE que podem ter um impacto na confiança e no investimento".

Além de esperar que até 2017 todas as economias dos Estados-membros estejam em crescimento, ainda que com diferenças acentuadas entre os 28, a Comissão também projeta uma contínua melhoria das condições do mercado de trabalho, prevendo que a taxa de desemprego na zona euro recue de 11% em 2015 para 10,5% em 2016 e 10,2% em 2017, enquanto na UE, após uma decida de 9,5% em 2015, deverá recuar para os 9,0% este ano e 8,7% no próximo.

A Comissão Europeia espera também que os défices públicos continuem a baixar na zona euro. Depois de um recuo em 2015 que se deverá ter situado nos 2,2% do PIB, o défice público deve baixar para 1,9% este ano e 1,6% em 2017, sendo os valores para a UE um pouco acima daqueles previstos para o conjunto do espaço monetário único: 2,5%, 2,2% e 1,8%, respetivamente.

  • Lei existe há quatro anos mas não tem regulamentação
    2:03
  • Denúncia de maus tratos a cães no canil municipal de Elvas
    2:24

    País

    O Grupo de Intervenção e Resgate Animal denunciou nas redes sociais alegados maus tratos a animais no canil municipal de Elvas. As imagens mostram uma cadela com uma corda ao pescoço. A autarquia abriu um inquérito para averiguar o caso, suspendendo também o trabalho dos voluntários no canil.

  • Há cada vez menos portugueses

    País

    A população em Portugal diminuiu no ano passado, pelo oitavo ano consecutivo, já que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos, revelam dados hoje divulgados pelo INE.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Estados Unidos vão reforçar as sanções à Coreia do Norte
    1:31

    Mundo

    Washington pretende também investir nos esforços diplomáticos para que Pyongyang ponha fim aos programas nucleares e de mísseis. A nova estratégia de Donald Trump foi anunciada quarta-feira à noite. A força aérea norte-americana testou esta quarta-feira um míssil de longo-alcance que percorreu 6800 quilómetros sobre o Pacífico a partir de uma base na Califórnia.

  • Le Pen vai à pesca
    0:35

    Eleições França 2017

    Marine Le Pen, candida à presidência de França fez esta quinta-feira uma "pausa" na campanha eleitoral e aproveitou para ir à pesca. A candidata navegou num barco de pesca no Mediterrâneo.

  • Ovibeja aposta este ano na internacionalização da agricultura
    2:07

    País

    A Ovibeja começou esta quinta-feira e este ano aposta na internacionalização dos produtos agrícolas do Alentejo. Centenas de expositores esgotam o certame, que é uma monstra da agricultura portuguesa. António Costa, na sexta-feira, e Marcelo Rebelo de Sousa, no sábado, são alguns dos políticos com a presença marcada em Beja.