sicnot

Perfil

Economia

CGD reduziu 448 trabalhadores e fechou 22 agências em 2015

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) baixou o seu quadro de pessoal em 448 funcionários, a maioria no âmbito do programa de reformas antecipadas, e encerrou 22 balcões no mercado português durante o ano passado, informou hoje o banco público.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A entidade liderada por José de Matos chegou ao final de dezembro com um total de 8.410 trabalhadores (contra 8.858 em 2014) e com 764 agências (face às 786 que tinha em 2014) em Portugal.

Do total das saídas (448) de trabalhadores, 311 foram englobadas no programa de reformas antecipadas lançado pelo banco estatal no ano passado.

A informação foi passada aos jornalistas durante a apresentação das contas de 2015, tendo José de Matos revelado que o programa de reformas antecipadas, designado por Plano Horizonte, atraiu "bem mais" de 1.000 candidatos.

Além dos mais de 300 que já saíram do banco depois de se candidatarem e verem o seu processo aceite pela gestão da CGD, durante 2016 ainda podem sair mais cerca de 700 pessoas só no âmbito deste programa.

"A redução pode chegar aos 1.000" colaboradores em números largos, revelou o líder da CGD, indicando que nas contas de 2015 já foram reconhecidos custos de 65 milhões de euros relacionados com a antecipação das reformas.

Este valor já inclui o número de trabalhadores que saiu efetivamente do banco em 2015 e os que ainda vão deixar a CGD ao longo do presente ano.

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.