sicnot

Perfil

Economia

Grécia "com resultado surpreendente" fecha 2015 com crescimento nulo

Bruxelas considera que o novo pacote de reformas estruturais adotado pelo Governo grego e a "surpreendente" resiliência da economia helénica, especialmente no que toca ao consumo, atenuaram a recessão da Grécia em 2015 para valores "menos severos".

© Christian Hartmann / Reuters (Arquivo)

"A recessão na Grécia em 2015 parece agora ter sido menos severa do que o esperado. Um consumo resiliente, uma recapitalização dos bancos feita com êxito, a implementação regular de reformas estruturais [...] e o progresso nas privatizações deverão suportar a retoma da confiança e trazer crescimento [do PIB] e resultados orçamentais mais fortes na segunda metade de 2016", escreve a Comissão Europeia nas suas previsões de Inverno.

O consumo privado "foi mais forte do que o esperado", nota a Comissão no documento hoje divulgado, explicando que as famílias gregas preferiram gastar o dinheiro que tinham em depósitos bancários para evitar "eventuais 'haircuts'".

O turismo "continuou com um desempenho excecionalmente bom" no outono e as importações continuam a decrescer mais rapidamente do que as exportações, o que resulta "numa balança comercial que contribui positivamente para o crescimento".

Assim, o PIB grego em 2015 deverá ter ficado em 0,0%, estima agora a Comissão, mas deverá contrair-se 0,7% este ano - impactado pelos acontecimentos do ano passado - e voltar ao crescimento (2,7%) em 2017.

Nas previsões de outono, Bruxelas previa uma contração do PIB grego este ano de 1,3% e continua a deixar um aviso: nos potenciais efeitos negativos, "uma falha na aplicação integral do programa de reformas e a incerteza de políticas minariam as perspetivas de crescimento".

A taxa de desemprego da Grécia, nas previsões de Bruxelas, deverá baixar de 25,1% em 2015 para os 24% este ano e para 22,8% em 2017.

Quanto às finanças públicas, a Comissão vê sinais de acelerada deterioração: o défice previsto para 2015 nas previsões de primavera era de 2,1%, passou para 4,6% nas previsões de outono e está em 7,6% nas previsões de inverno, devido a "efeitos extraordinários" relacionados com a recapitalização dos bancos.

Ainda assim, Bruxelas acredita que em 2016 o défice grego ficará em 3,4% e em 2,1% no ano seguinte.

A dívida pública grega agravou-se para 179% do PIB em 2015, mas longe dos 194,8% previstos em outubro. Em 2016 deverá chegar a 185% (abaixo dos 199,7% do PIB previstos em novembro).

No capítulo dos preços, a inflação na Grécia melhorou em 2015 (-1,1%), contra os -1,4% de 2014, passando a positiva este ano (0,5%) e em 2017 (0,8%).

Lusa

  • Principais factos da acusação no caso BPN dados como provados

    País

    O coletivo de juízes responsável pelo julgamento do processo principal do caso BPN interrompeu perto das 13:00 a leitura do acórdão iniciada pelas 10:30. Os principais factos da acusação são dados como provados, mas a leitura deverá demorar algumas horas.

  • Papa pede a Trump para ser pacificador
    1:12
  • Supremo confirma condenação de Messi por fraude fiscal

    Desporto

    O Supremo Tribunal de Justiça espanhol confirma a condenação de Lionel Messi por fraude fiscal. A notícia foi avançada pelo El País. O jogador do Barcelona foi condenado a 21 meses de prisão por três crimes fiscais que lesaram o Estado em 4,1 milhões de euros.

  • Autódromo do Estoril está ilegal há 45 anos

    Desporto

    De acordo com o Público este equipamento desportivo, inaugurado na década de 70, não tem licença de construção nem de utilização. Uma notícia que apanhou de surpresa o executivo camarário de Cascais, liderado por Carlos Carreiras.

  • Seca na Bacia do Sado exige restrições ao uso da água no Alentejo

    País

    A Agência Portuguesa do Ambiente aprovou hoje um conjunto de medidas para gestão dos recursos hídricos, definindo medidas específicas para a bacia hidrográfica do Sado, a única que se encontra em situação de seca. Além da diminuição de regas em hortas e jardins, a APA recomenda o encerramento das fontes decorativas, a proibição de encher piscinas e de lavagem de automóveis.