sicnot

Perfil

Economia

Governo mantém IRC nos 21% e diminui prazo de reporte de prejuízos fiscais das empresas

A taxa do IRC vai continuar nos 21% em 2016, segundo a proposta orçamental do Governo, que também diminuiu de 12 para cinco anos o prazo para as empresas reportarem prejuízos fiscais em exercícios posteriores.

A medida constitui a primeira alteração à Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. (Arquivo)

A medida constitui a primeira alteração à Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. (Arquivo)

SIC

De acordo com a proposta de Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), hoje entregue na Assembleia da República, o Governo de António Costa decidiu manter a taxa de tributação das empresas nos 21%, interrompendo, assim, a trajetória descendente em vigor desde 2014.

Nesse ano, a taxa do IRC baixou dos 25% para os 23% e, em 2015, voltou a ser reduzida para os 21%, estando definido na reforma deste imposto o objetivo de fixar a taxa do IRC entre os 17% e os 19% em 2016.

Além de não baixar a taxa do IRC, o Governo introduz agora propostas que o PS não conseguiu fazer aprovar aquando da reforma do IRC e altera também dois aspetos bandeira.

Por um lado, diminui o período de tempo em que as empresas podem reportar prejuízos fiscais nos resultados nos anos seguintes, dos 12 para os cinco anos e, por outro, aumenta a participação exigida para beneficiar da eliminação da dupla tributação, o chamado regime de 'participation exemption', dos 5% para os 10%.

Assim, o executivo quer que, para que as empresas deixem de pagar IRC sobre os lucros e as reservas distribuídos a sujeitos passivos de IRC com sede efetiva em território português, o sócio que as recebe detenha uma participação de pelo menos 10% (e não de apenas 5% como acontece atualmente) e que seja titular dessa participação durante pelo menos um ano (e não durante dois anos, como a lei atual exige).

No caso das mais e menos-valias realizadas com a transmissão de instrumentos de capital próprio, estas não concorrem para a determinação do lucro tributável independentemente da percentagem da participação transmitida, desde que detidas ininterruptamente por um período não inferior a um ano, segundo a proposta orçamental.

Lusa

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.